Artigos - Educação

4 passos que ajudarão você a quitar suas dívidas

O mais importante é você não agravar ainda mais o problema e buscar soluções (Foto: Reprodução/Google)

Na nossa vida há dois tipos de dívidas: as boas e as ruins. As boas são aquelas que ajudam a criar ou aumentar seu patrimônio ou a preservá-lo.

A dívida boa é vista como um investimento. Como por exemplo, o empréstimo para compra da casa própria. Desde que esse empréstimo seja pago conforme acordado, sem causar problemas graves no seu orçamento pessoal.

E a dívida ruim é aquela em que o cidadão não consegue pagar, pois foi contraída sem o devido planejamento. Feita para cobrir custos ou contas onde não houve formação de patrimônio, sem possibilidade de cumprir o acordado.

Geralmente as dívidas ruins são mal feitas, com juros maiores (ex.: usar o limite do cheque especial ou cartão de crédito) e que tem o efeito de deteriorar o patrimônio existente ou destruir a credibilidade na hora de obter crédito.

Neste artigo vamos falar sobre 4 passos que lhe ajudarão a quitar suas dívidas ruins. Acompanhe.

Renegocie com seus credores

Comece pelas dívidas em que você paga os juros mais altos. Procure o credor da dívida e busque uma solução melhor.

Se você deve ao banco, busque junto a ele opções de quitar essa dívida com juros menores. E se necessário peça um parcelamento maior para que consiga pagar a parcela mensal com um pouco de folga no seu orçamento.

Caso você não consiga junto ao credor uma renegociação, procure um advogado para orientação da possibilidade de uma Ação Revisional do contrato. Se você estiver pagando uma taxa de juros acima do permitido, essa Ação irá buscar uma condição mais favorável e dentro do que é permitido legalmente.

Além disso, fique atento: os juros do cartão de crédito e do cheque especial são os mais altos do mercado financeiro.

Tenha cuidado para não criar uma dívida desagradável pela má utilização destas formas de pagamento.

Reduza seus gastos

Uma boa maneira de não contrair dívidas ruins é gastar menos do que se recebe. Mas, se você acabou se passando e não observou esta premissa básica, está na hora de reprogramar suas atitudes e planejar o seu orçamento, caso contrário a situação irá piorar.

Sacrifícios serão necessários, não tem jeito. Analise seu orçamento e veja quais são os gastos que você pode cortar ou reduzir para que sobre um valor que possa ser usado para pagar a sua dívida.

Renda extra

Se mesmo reduzindo seus gastos ainda está difícil de chegar no valor da parcela para iniciar a quitação da dívida, pense em usar suas horas de folga para alguma atividade que gere uma renda extra. O que você gosta de fazer e faz bem? Pense em alguma atividade que tenha espaço na sua comunidade e que possa render um dinheiro a mais mensalmente.

No que seus amigos lhe elogiam e pedem ajuda? Talvez você deva começar a cobrar por isso.

Venda o que você não usa

Se você tem algo, pode ser algum equipamento, produto, máquina, vestuário, que não utiliza ou utiliza muito pouco, coloque para vender. Melhor do que deixar parado ocupando espaço é fazer dinheiro com ele.

Outra alternativa, caso você tenha algum veículo, é vendê-lo e usar o dinheiro ou parte dele para quitar a dívida. Mesmo que você tenha que usar transporte público ou andar a pé por um período até conseguir se reorganizar e comprar um novo.

O mais importante é você não agravar ainda mais o problema e buscar soluções. Revise a sua forma de gerenciar suas receitas e procure alternativas viáveis que te ajudem a pagar a quantia devida.

Luciano Fontana é empresário e fundador da Lume Centro de Educação Profissional. Apaixonado por educação e finanças, tem como objetivo ajudar as pessoas na transformação da sua vida financeira.