Artigos - Política

“A política continua como sempre foi e sempre será” este é o artigo de Fredi Camargo

Fredi CamargoAo observarmos as eleições americanas, principalmente no que diz respeito aos debates travados nas redes de televisão entre os dois candidatos, parece que algo familiar nos prende à atração. É o embate grosseiro entre duas pessoas, com ideias e práticas distintas mas com a mesma finalidade, o poder, que prende a atenção das pessoas. Insultos, xingamentos, acusações, etc. passam a fazer parte da rotina desses encontros entre os aspirantes a maiores líderes mundiais. Algo diferente entre os debates à prefeitura de Porto Alegre ou de sua cidade?

Não, infelizmente nada muda na guerra pelo poder, seja numa cidadezinha de 1500 habitantes ou na dita maior democracia mundial. A luta por poder é capaz de transformar as pessoas, e pior, é capaz de mostrar o que de pior existe no ser humano. Thomas Hobbes, no século 17, na época do racionalismo e iluminismo medieval, já dizia que “o homem é lobo do homem”, ou seja, se deixarmos os homens em seu estado de natureza, estes estarão sempre em guerra uns contra os outros e em constante estado de medo.

Pois a guerra política mostra exatamente este estado de natureza entre os candidatos. Propostas, ideias, trabalho e história são deixadas de lado e ataques, fúria e denúncias dão o tom da disputa pelo voto do cidadão. E o pior, as pessoas gostam. Sendo aqui ou lá, as pessoas se prendem pela mídia quando há algum tipo de tragédia, quando a notícia é catastrófica ou, neste caso, quando a disputa baixa é a atração da noite, são as primeiras a pararem sua rotina para acompanhar o embate. Interessadas em novidades ou em algum tipo de declaração que diz respeito ao seu futuro? Não. Só querem ver o “sangue moral” correr entre os postulantes.

Vejam que os exemplos, Hillary e Trump, Melo e Marchezan, ou qualquer outro que seja o embate, não se distinguem na hora do enfrentamento. Todos levam a mesma linha de combate, todos buscam o mesmo objetivo e todos os casos fazem parte de nosso futuro. Querendo ou não, entregamos nossa humanidade nas mãos dessas pessoas, e pior, sabendo e de certa forma, aprovando esse tipo de atitude.

Nada de novo, a política sempre foi assim e sempre será. E as pessoas, após esses embates, que entristecem alguns poucos pois não fornecem nenhuma esperança de futuro para humanidade, seguirão suas rotinas e reclamarão: onde foi que erramos?

Boa semana!
Fredi Camargo – Cientista Político
Contato: cc.consultoria33@gmail.com