Brasil RSS Rural - Agricultura

Acordo permite abertura do mercado norte-americano à carne bovina brasileira

O Brasil vai exportar 64 mil toneladas de carne in natura de 19 frigoríficos, dos quais três são do Rio Grande do Sul (Foto: Divulgação GVG)
O Brasil vai exportar 64 mil toneladas de carne in natura de 19 frigoríficos, dos quais três são do Rio Grande do Sul (Foto: Divulgação GVG)

O Brasil volta a exportar carne para os Estados Unidos. Um acordo firmado entre os dois países vai possibilitar a exportação de 64 mil toneladas de carne in natura de 19 frigoríficos brasileiros, dos quais três são do Rio Grande do Sul. Uma solenidade no Palácio do Planalto, em Brasília, nesta segunda-feira (1º), marcou o reingresso da carne brasileira no mercado norte-americano.

O evento teve a presença do presidente da República em exercício, Michel Temer; da embaixadora dos Estados Unidos, Liliana Ayalde; do ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi; do vice-governador do Rio Grande do Sul, José Paulo Cairoli; e do secretário da Agricultura, Pecuária e Irrigação, Ernani Polo.

No encontro houve troca de cartas de reconhecimento de equivalência dos controles oficiais de carne bovina entre os dois países. Tanto o Brasil poderá vender o produto para os norte-americanos, quanto os Estados Unidos para o mercado brasileiro, já que seguiram procedimentos de avaliação técnica independentes, concluídos no mesmo período. Os primeiros embarques devem iniciar nos próximos 90 dias, após finalização dos trâmites administrativos pelas autoridades sanitárias dos dois países. “Com a carta verde, abrimos novas perspectivas para o mercado gaúcho o que vai impulsionar a economia e motivar os pecuaristas”, afirmou o vice-governador José Paulo Cairoli.

Para o secretário Ernani Polo, a medida “vai nos possibilitar abrir comércio com outros países, que até o momento não temos relação comercial. Para estas nações, o fato de saber quem comercializa com os Estados Unidos é condição determinante para que possam também comprar do Brasil. Portanto, essa abertura para os Estados Unidos nos abrirá muitas outras possibilidades de negócios”.

Texto: Ascom Estado