Economia Destaques Colinas

Administração de Colinas incentiva suinocultura

Família que está à frente do empreendimento

Empreendimento localizado na Linha Ano Bom é inaugurado

O município de Colinas conta, desde a última sexta-feira, dia 14 de junho, com mais um empreendimento no setor primário. Localizado na Linha Ano Bom, o espaço que aloja a criação de mil suínos em fase de terminação pertence a Paulo Cesar Ullrich e Guilherme H. Ullrich. Orçada em cerca de R$ 600 mil, a obra foi iniciada em novembro de 2018 e não está totalmente concluída, restando alguns detalhes como a utilização de dejetos a partir de bioenergia. A inauguração contou com a presença da família responsável pelo projeto, autoridades locais e servidores públicos municipais.

A edificação contou com auxílio da Administração Municipal por meio de terraplanagem. “A terraplanagem executada pelo município foi bastante complicada, considerando a grande quantidade de material a ser deslocado em função da extensão da obra. O serviço prestado é isento quando inserido nos limites de uma hora/máquina para cada 20 metros quadrados de terreno terraplenado. O que ultrapassa a esse critério é subsidiado”, explica o secretário municipal de Administração e Fazenda, Alécio Weizenmann.

Conforme o titular da pasta, o governo municipal apoia e incentiva esse tipo de empreendedorismo, sabendo da importância do setor da produção agropecuária na formação do Valor Adicionado Fiscal e o que o mesmo representa para a economia local. “Mesmo que os efeitos práticos do retorno do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) só acontecem três anos depois do início da produção, a movimentação financeira já se faz sentir entre três a quatro meses após o alojamento do lote de suínos, que é o tempo necessário para o abate. Assim, o efeito multiplicador se faz sentir com o giro dos recursos no comércio, na indústria e nos setores de serviços”, enaltece.

Weizenmann ainda lembra da oportunidade deste investimento frente à crise decorrente da Peste Suína vivida, por exemplo, na China. “Tudo indica que logo mais nós não teremos produção suficiente para atender à demanda, principalmente dos países importadores. Desta forma, os empreendedores são corajosos por apostarem em uma atividade que requer elevados ou consideráveis investimentos”, acredita. Ele revela a possibilidade de logo mais instalarem um segundo pavilhão dentro da tecnologia mais avançada para esse tipo de construções/alojamentos, cujo modelo é o segundo nesta região.

 

Fotos: Fabrício Fiel
Assessoria de Imprensa de Colinas