Saúde RSS Imigrante

Aedes Aegypti é encontrado em Imigrante

agentes-recebendo-orientacoes-foto-luise-tombini
Agentes de Saúde visitarão residências (Foto: Divulgação)

A equipe de vigilância e controle de endemias de Imigrante encontrou larvas do mosquito Aedes Aegypti no Centro de Imigrante. No total, estão sendo utilizadas quatro armadilhas de monitoramento, e a que continha a larva estava localizada próxima à Prefeitura Municipal. O Aedes Aegypti é o mosquito responsável pela transmissão da dengue, Zika e Febre Chikungunya.

O Agente de Saúde da 16ª Coordenadoria Regional de Saúde, João Francisco Coelho, repassou algumas informações. Inicialmente, todas as casas em um raio de 300 metros de onde foi encontrada a larva do mosquito serão visitadas pelas Agentes Comunitárias de Saúde e Agente de Endemias. Nesta visita, além de orientar, elas podem atuar também eliminando possíveis locais de criação do mosquito.

Segundo a chefe do Departamento de Vigilância, Lurdes Beatriz Andrade, é fundamental que toda a população de Imigrante se mobilize, eliminando qualquer local onde o mosquito possa se criar. Além das residências, é de extrema importância que terrenos baldios sejam mantidos limpos e roçados, pois podem ser criadouros dos mosquitos.

Dicas para evitar a proliferação de mosquitos:

*No caso de vasos de flores ou plantas manter o prato que fica sob os vasos sempre seco, podendo utilizar para isso areia;
*A água das jarras de flores deve ser trocada duas vezes por semana e a jarra bem lavada para eliminar os ovos de Aedes aegypti que possam estar aderidos às paredes;
*O cultivo de plantas em vasos com água deve ser evitado, se possível enchendo o vaso com terra ou areia;
*Toda a vasilha de lata deve ser furada antes de ser descartada, para que não acumule água, sendo colocadas em lixeiras tampadas;
*Todos os objetos que podem acumular água de chuva (copinhos plásticos, tampas de refrigerantes, cascas de coco) devem ser esvaziados e, se inservíveis, acondicionados em lixeira;
*Garrafas vazias devem permanecer de cabeça para baixo em locais cobertos;
*Os bebedouros de aves e animais devem ter sua água trocada pelo menos uma vez por semana, após serem lavados com escova;
*Os pneus velhos devem ser furados para escoar a água da chuva e, se possível, guardados em local coberto. Se inservíveis, o melhor destino é o lixo;
*Os poços, tambores e outros depósitos de água devem estar sempre tampados;
*As caixas d’água e cisternas devem ser mantidas limpas;
*O lixo não deve ser jogado em terrenos baldios;
*Cuidado especial a lonas/plásticos pretos depositados sobre entulhos, pois servem de criadouros ao criarem “bolsas de água”;
*Deve-se manter o lixo tampado;
*Manter o mesmo cuidado em cemitérios, que se tornam um local propício para a criação dos mosquitos, recomenda-se furar os vasos, para evitar o acúmulo de água nos mesmos;
*Colocar água sanitária em flores, como as bromélias, que armazenam água. – É fundamental que terrenos baldios sejam mantidos limpos e roçados, para que não sejam possíveis criadouros dos mosquitos.

A Agente de Endemias, Rita Mara Hesper, reforça a importância dos moradores colaborarem com as agentes que estarão realizando as visitas, para que sejam eliminados todos os locais propícios para os mosquitos depositarem seus ovos. Para mais informações e denúncias de criadouros podem ser efetuadas pelo telefone (51) 3754 1031, com o setor de vigilância.

Texto: Portal Região dos Vales/Ascom Imigrante