Coronavírus Vale do Rio Pardo Educação

Amvarp debate volta às aulas presenciais

Assembleia geral contou com representantes dos 16 municípios associados. Recente troca de bandeira também foi discutida

Uma das principais preocupações dos gestores municipais diante da pandemia do novo coronavírus, a volta às aulas presenciais foi tema de uma assembleia da Associação dos Municípios do Vale do Rio Pardo (Amvarp). Realizada por videoconferência através do aplicativo Google Meet na manhã desta quarta-feira, 24, a reunião reuniu os gestores dos 16 municípios associados – Boqueirão do Leão, Candelária, Encruzilhada do Sul, General Câmara, Gramado Xavier, Herveiras, Mato Leitão, Pantano Grande, Passo do Sobrado, Rio Pardo, Santa Cruz do Sul, Sinimbu, Vale do Sol, Vale Verde, Venâncio Aires e Vera Cruz.

Na oportunidade, foram apresentadas algumas das ações que os secretários de Educação estão realizando, bem como discutidas as dúvidas que vêm surgindo diante dos protocolos a serem estabelecidos a partir do início das aulas presenciais. A prefeita de Sinimbu, Sandra Backes, ressaltou as ações pedagógicas à distância que vêm sendo realizadas no município.

“Precisamos agradecer os professores, diretores e funcionários que estão se empenhando nesse momento difícil. O que nos preocupa serão as dificuldades que teremos para retornar às aulas presenciais com o distanciamento a ser feito, sobretudo das crianças”, argumentou Backes.

Na mesma linha, a secretária de Educação de Santa Cruz do Sul, Juliana Bach, salientou a preocupação sobre as condições que serão impostas para que as escolas definam o distanciamento entre os estudantes.

“Uma das dúvidas que temos é como será realizado o escalonamento dos alunos, uma vez que cada sala deverá comportar uma quantidade mínima de pessoas”, comentou.

Dentre as novidades divulgadas pelos municípios, o secretário de Educação de Rio Pardo, Fernando Haas, revelou que uma plataforma online deve ser lançada pela administração nos próximos dias para os cerca de 300 profissionais da rede municipal de Educação.

“Essa metodologia híbrida irá contemplar nossos funcionários para lidar de uma forma mais ampla diante de uma situação como essa.”

O Prefeito de Candelária e presidente da Amvarp, Paulo Butzge, ressaltou a oportunidade da discussão de ideias entre os gestores municipais.

“Esse assunto é algo que nos preocupa, pois buscamos minimizar os impactos da falta das aulas presenciais e achar alternativas e soluções para os municípios, dentro de suas peculiaridades e de um calendário que precisa ser cumprido”, comentou.

Butzge ainda sugeriu que os secretários de Educação realizassem, a partir de hoje, reuniões periódicas para trocar informações e tratar de soluções e dúvidas de cada município.

Complementando, o prefeito Cássio Nunes, de Pantano Grande, sugeriu que também fosse realizado um encontro online junto ao coordenador da 6ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE), Luiz Ricardo Pinho de Moura, e com a coordenadora da 13ª Coordenadoria Regional de Saúde (CRS), Mariluci Reis, para tratar de ações que possam ser realizadas em conjunto.

Manter protocolos para evitar a bandeira vermelha

Outro assunto em pauta foi a recente troca de bandeiras na região, passando da amarela para laranja, dentro do modelo de distanciamento controlado do Estado. Citando as recentes aglomerações de pessoas na rua, sobretudo à noite, ou mesmo as exigências de clubes e restaurantes por medidas menos restritivas, o presidente da Amvarp, Paulo Butzge, salientou a importância de manter os protocolos de segurança para que não haja uma piora nos índices levados em consideração pelo Estado para o modelo controlado.

“Hoje, há uma falsa sensação de normalidade. Não podemos achar que estamos vivendo um momento normal. Precisamos estar atentos para não cairmos em critérios que possam nos levar à bandeira vermelha, o que levaria os gestores a tomar ações trágicas para todos os setores”, finalizou Butzge.

Tiago Rech
Assessoria de Imprensa – Amvarp