Vale do Taquari Rural - Agricultura

Atividade com jovens produtores em Teutônia aborda Gestão da Propriedade Rural

Com o objetivo de discutir temas relacionados à gestão da propriedade rural, representantes da Emater/RS-Ascar estiveram nesta quinta-feira (11/07), na sede da associação dos funcionários da cooperativa Languiru, em Teutônia. Na ocasião foram realizadas duas palestras. Na primeira delas, o supervisor da Instituição Cezar Burille destacou a importância de se estar familiarizado com tudo o que ocorre na propriedade – especialmente a partir da adoção de um caderno de campo -, com vistas a tomar decisões com mais segurança, evitando prejuízos futuros.

Nesse sentido, defendeu o fato de que “gestão é informação”, sendo importante a anotação de entradas e saídas, de quanto se produziu e de quais as nossas perspectivas para o futuro. “De nada adianta plantar um hectare de noz pecan se teremos dificuldades para colher”, exemplificou. Em seguida foi a vez do coordenador estadual do Programa de Gestão Sustentável da Agricultura Familiar (PGSAF), Célio Colle, apresentar os detalhes da política pública operacionalizada pela Emater/RS-Ascar por meio de convênio com o Governo do Estado.

Em sua fala apresentou os objetivos e as etapas de execução do programa, que visa a ampliar o acesso dos agricultores ao serviço de assistência técnica e extensão rural, gerando indicadores econômicos, sociais e ambientais das propriedades assistidas. Em seguida apresentou casos de sucesso em que produtores dos municípios de Marcelino Ramos e Fagundes Varela, entre outros, aumentavam a renda na produção de leite, a partir da racionalização dos custos de produção e com um melhor planejamento. “Muitas vezes não é necessário aumentar o rebanho e sim melhorar o manejo”, salientou.

Parceiras no Programa de Inclusão Social e Produtiva no Campo (PISPC), a cooperativa Languiru e a Emater/RS-Ascar resolveram unir forças na discussão do tema, que integra um outro programa desenvolvido pela cooperativa: o de sucessão familiar. Desde setembro de 2018, 46 jovens produtores, acompanhados de seus pais, participam da qualificação, que visa a estimular a permanência do jovem no campo, garantindo a sustentabilidade da atividade produtiva. “Essa é a nossa forma de reafirmar a nossa responsabilidade com as gerações futuras”, garantiu o presidente da cooperativa, Dirceu Bayer.

Realizada por meio de encontros mensais, a formação prevê o debate de diversas questões técnicas e administrativas relacionadas ao dia a dia da propriedade, sendo alguns desses encontros acompanhados pelos pais – como foi o caso deste. “É neste momento que entra a importância da discussão sobre a gestão”, salienta o gerente regional da Emater/RS-Ascar, Marcelo Brandoli. Com o uso de uma planilha própria para colocação de todas as informações da propriedade, a Emater/RS-Ascar tem auxiliado os produtores a planejar melhor os investimentos, com projeção de renda e de forma sustentável.

 

Paralelamente ao trabalho sobre o gestão, os pais participaram, em outra sala, de uma sensibilização com o professor da Unisinos Martin Schulz. Além de abordar a necessidade da inclusão dos filhos nos assuntos relativos à propriedade, Schulz reforçou a importância de acolher os jovens, dando segurança e afeto a eles. “Quantas vezes vocês dão um abraço nos seus filhos por semana?”, questionou. Na visão do docente, os sucessores não devem ser encarados apenas como pessoas que irão produzir, gerar renda. “Há que se ter sintonia com eles, para que eles não se sintam acossados ou com desejo de sair de casa”, discorreu.

Ao lado do filho Pablo, de apenas 17 anos, a agricultora Loiva Beatriz Trapp de Westfália celebra o fato de que o jovem pretende dar continuidade ao trabalho com bovinos de leite, na propriedade em que também moram o pai, a mãe, o cunhado e um irmão. “Lá em casa podemos até ter as nossas divergências, mas sempre colocamos tudo as claras, antes da tomada de qualquer decisão”, garante. Para Pablo, além da sensação de pertencimento, o que pesa é o fato de o município possuir boa infraestrutura, com estradas asfaltadas e acesso a internet. “Fora o fato de que a tecnologia também está aí para nos ajudar no trabalho”, avalia.

 

 

Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar – Regional Lajeado
Jornalista Tiago Bald