Região Meio Ambiente RSS

Atlas gaúcho de biomassa é lançado na Expointer

Lançamento contou com a participação do secretário estadual de Minas e Energia, Lucas Redecker. Cerimônia foi realizada durante a programação da Expointer (Foto: Divulgação)
Lançamento contou com a participação do secretário estadual de Minas e Energia, Lucas Redecker.
Cerimônia foi realizada durante a programação da Expointer (Foto: Divulgação)

Foi lançado na quarta-feira (31), o Atlas da Biomassa para Produção de Biogás e Biometano. Elaborado ao longo de um ano pela Univates (com patrocínio da Secretaria de Minas e Energia e da Sulgás), o projeto busca mapear as fontes de biomassa e resíduos com potencial de produção de biogás e biometano no Estado do Rio Grande do Sul. A cerimônia ocorreu na Casa do Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul (Ocergs) na Expointer e contou com a participação do secretário estadual de Minas e Energia, Lucas Redecker.

Conheça o projeto
O levantamento de dados referentes à biomassa foi realizado por meio de análise de Conselhos Regionais de Desenvolvimento (Coredes) e de visitas a empresas listadas. Conforme o professor coordenador do projeto, Odorico Konrad, a coleta vem sendo realizada desde a metade de 2015 e busca conferir onde estão concentradas as maiores biomassas do Estado. “Há programas que simulam a produção de biogás levando em conta a biomassa existente. Com a quantidade e o tipo de biomassa, é possível mensurar a produção de biogás no Estado”, explica.

O apoio técnico é realizado pelos engenheiros ambientais Marildo Guerini Filho e Marluce Lumi, diplomados pela Univates. Conforme Guerini Filho, estudos como esse possibilitam a participação de energia renovável na matriz energética do país. “Trata-se de um estudo inédito no Rio Grande do Sul, uma vez que esse atlas permite conhecer as potencialidades de biomassa no Estado e serve como um instrumento para elaboração de políticas no setor energético e de futuros investimentos nesse setor”, afirma. Na área ambiental, o diplomado explica que esse estudo vem ao encontro do conceito de desenvolvimento sustentável, suprindo as necessidades das gerações atuais sem comprometer as necessidades das gerações futuras. “Estamos trabalhando com o desenvolvimento de energia que não esgota seus recursos para o futuro, por isso a chamamos de energia renovável e limpa”, explica.

Os locais visitados são agroindústrias, aterros sanitários e estações de tratamento de efluentes domésticos. A indicação dos locais com potencial serve para que mais investidores sejam atraídos para a produção de biogás.

Texto: Ascom Univates