RS RSS Polícia

Balada Segura quadruplica abordagens em seis anos

Com crescimento médio de 42% ao ano, a Balada Segura comemora seis anos neste sábado (4). O número de abordagens nas blitze focadas na embriaguez aumentou 422% em 2016 comparado a 2011, quando o programa começou em Porto Alegre. Hoje, em 27 municípios, a operação que envolve DetranRS, Brigada Militar e órgãos de trânsito municipais já retirou de circulação 28,5 mil condutores que dirigiam sob o efeito de álcool ou recusaram-se a fazer o teste e comprovar as condições necessárias para trafegar com segurança.

O percentual de motoristas autuados por dirigir sob efeito de álcool ou recusar-se ao teste do etilômetro, que foi de 11% do total de abordagens em 2012, passou para 8% em 2013 e manteve-se na média dos 9% nos anos seguintes. Em 2012, 3,7 mil condutores foram autuados pelo artigo 165 do Código de Trânsito Brasileiro entre os 33,6 mil abordados. Em 2016, foram autuados 8,1 mil entre 96,6 mil abordados.

Os números de 2011 não servem de comparativo, pois a fase piloto do programa estendeu-se até setembro, quando a Balada Segura entrou no formato que tem hoje: com todos os condutores abordados solicitados a passar pelo teste do etilômetro.

Embora o número de autuações por teste tenha caído no ultimo ano, o número de recusas ao teste tem crescido, mantendo o percentual de autuados por embriaguez estável. A participação das recusas chegou a 75% do total de autuações por embriaguez em 2016, apesar de a legislação prever a esses condutores as mesmas penalidades do que os que tiveram alcoolemia comprovada.

Em seus seis anos de vida, a Balada Segura já totaliza 5 mil blitze realizadas, 320 mil veículos abordados e 115 mil infrações registradas. Além disso, a fiscalização também recolheu, de 2011 a 2016, 19 mil veículos e 30 mil CNHs irregulares. Já consolidada, a Balada vem ganhando substância ao longo dos anos, com aumento consistente do número de abordagens a cada ano.

Para o diretor-geral adjunto do DetranRS, Saudir Filimberti, o aumento da fiscalização reduz a sensação de impunidade e coopera para a redução dos acidentes. “Em 2015, o RS teve a maior redução da acidentalidade de sua história, com 14% menos mortes do que no ano anterior. Dados preliminares apontam que a tendência se manteve em 2016, com 3% menos vítimas no trânsito. Não somente mantivemos a redução do ano anterior, mas avançamos. Isso se deve a diversos fatores, entre eles a consistência dos programas de fiscalização como a Balada Segura”.

Texto: Mariana Goldmeier Tochetto/ Ascom DetranRS
Edição: Léa Aragón/Secom