Negócios Alimentação Progresso

Casa do Mel de Progresso inaugura quarta-feira

A Casa do Mel de Progresso tem nova data para sua inauguração – o evento foi adiado na última semana por causa das chuvas. Em ato que contará com lideranças, representantes de entidades – entre elas a Emater/RS-Ascar – e produtores, o espaço localizado na Rua Antônio Yorra, número 1004, na sede, abrirá oficialmente as suas portas nesta quarta-feira (15/07), a partir das 9h. Cedida pela Prefeitura Municipal, a casa abrigará a estrutura física e os equipamentos que possibilitarão o processamento do mel colhido pelos 11 integrantes da Associação dos Apicultores de Progresso. Na última safra foram mais de 20 toneladas colhidas, retiradas de cerca de 1.600 colmeias.

 

Fundada em 2011, a Associação possui longa trajetória na produção do mel, sempre contando com o apoio do serviço de extensão rural, de políticas públicas e de emendas parlamentares – uma das mais relevantes destinou R$ 130 mil para a compra de centrífugas, descristalizadores, decantadora e desoperculadora, entre outros equipamentos. Para que o espaço possa ser oficialmente inaugurado, a Associação deverá encaminhar em breve a Inscrição no Sistema de Inspeção Municipal (SIM) e mais adiante no Sistema Unificado Estadual de Sanidade Agroindustrial Familiar, Artesanal e de Pequeno Porte (Susaf/RS).

 

A conclusão de todas as etapas da formalização possibilitará a comercialização do produto para além do público em geral e de feiras regionais e estaduais, chegando aos mercados institucionais via Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae). A extensionista da Emater/RS-Ascar, Simone Wobeto destaca que, assim que estabelecida, a Casal do Mel entregará um alimento de qualidade e legalizado, o que trará mais tranquilidade para o apicultor, inclusive na busca de outros públicos.

 

A Emater/RS-Ascar, que atua por meio de parceria com a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) do Governo do Estado, apoia os agricultores em todas as etapas da produção de mel – desde a colocação dos enxames, passando pela colheita, até chegar ao processamento do produto. “E não apenas nisto, mas também nas etapas que envolveram a formalização da Associação e agora da Casa, no que diz respeito as questões burocráticas, de envio de documentos, para a aquisição de equipamentos ou de inclusão em políticas públicas, entre outras ações”, salienta Simone.

 

Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar – Regional de Lajeado
Jornalista Tiago Bald