RS RSS Destaques Geral

“Cem por cento de carência em 2016 é uma vitória para o Rio Grande do Sul”, diz Sartori

A medida representa um alívio de R$ 1,9 bilhão ao Estado gaúcho, somente em 2016 (Foto: Luiz Chaves/Palácio Piratini)
A medida representa um alívio de R$ 1,9 bilhão ao Estado gaúcho, somente em 2016 (Foto: Luiz Chaves/Palácio Piratini)

O anúncio feito pelo governo federal, nesta segunda-feira (20), de conceder aos estados 100% de carência no serviço da dívida até o final do ano “É uma vitória do Rio Grande do Sul”, comemora o governador José Ivo Sartori. A medida representa um alívio de R$ 1,9 bilhão ao Estado gaúcho, somente em 2016. “Não resolve todas as nossas dificuldades financeiras, mas cria condições de avanço diferentes”, salienta o governador, que havia defendido essa proposta, em encontro com gestores estaduais, durante a manhã e o início da tarde desta segunda-feira.

A medida foi oficializada durante reunião com governadores convocada pelo presidente da República em exercício, Michel Temer, no Palácio do Planalto. Antes, o grupo esteve com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, para acertar detalhes da negociação. Durante um ano e meio, a contar de janeiro de 2017, a carência será regressiva, sendo que as parcelas da dívida serão pagas com uma redução de 5,2% nesse desconto, a cada mês. A proposta de alongamento por 20 anos segue de pé.

Atualmente o Rio Grande do Sul deve aproximadamente R$ 52 bilhões para a União, mesmo tendo quitado R$ 25 bilhões de um contrato inicial de R$ 9 bilhões. “Da forma como está, não pode ficar. É um pleito justo e legítimo de toda a sociedade gaúcha. É preciso devolver aos Estados a capacidade de investimento, principalmente para atender as pessoas que mais precisam. Temos que buscar formas de viabilizar esse fôlego, que vai impactar diretamente na economia e na vida da população”, apontou o governador.

Sartori destacou ainda que o Rio Grande do Sul já deu demonstrações concretas de melhoria na gestão dos recursos públicos, por meio de medidas de austeridade adotadas desde o início de seu governo. “Fomos transparentes com a população e com as organizações que formam a nossa sociedade. Se tivéssemos cruzado os braços, a situação hoje seria muito pior. Cortamos na própria carne e não temos medo de fazer o que precisa ser feito. Percebemos a gravidade da crise antes de outros estados”, lembrou o governador.

O déficit financeiro do Estado projetado para este ano é de R$ 6,07 bilhões. “Com esse alívio financeiro vamos conseguir evitar dificuldades maiores com o pagamento do funcionalismo”, exemplificou Giovani Feltes. De acordo com o secretário da Fazenda, este anúncio, somado aos resultados das medidas de austeridade adotadas pelo governo estadual representam avanços históricos. “É, sem dúvida, uma boa notícia para os gaúchos”, salienta.

Também participam da reunião com o Presidente Michel Temer os governadores do Rio de Janeiro, Francisco Dornelles, do Paraná, Beto Richa, de Alagoas, Renan Filho; do Amapá, Waldez Góes; do Amazonas, José Melo de Oliveira; do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg; do Espírito Santo, Paulo Hartung; de Goiás, Marconi Perillo; do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja; de Pernambuco, Paulo Câmara; do Rio Grande do Norte, Robinson Faria; de Rondônia, Confúcio Moura; de Santa Catarina, Raimundo Colombo; de São Paulo, Geraldo Alckmin; e do Tocantins, Marcelo Miranda.

Texto: Ascom Estado