RSS Rural - Agricultura Teutônia

Cerca de 350 pessoas prestigiam evento pelos 61 anos da Cooperativa Languiru

Evento foi realização no Salão Social da Associação dos Funcionários da Languiru (Foto: Éderson Moisés Käfer)
Evento foi realização no Salão Social da Associação dos Funcionários da Languiru (Foto: Éderson Moisés Käfer)

No dia 11 de novembro a Cooperativa Languiru organizou evento especial em comemoração ao 61º aniversário, celebrado no domingo, dia 13 de novembro. Tendo por local o Salão Social da Associação dos Funcionários da Languiru, a programação reuniu cerca de 350 pessoas, em especial associados produtores, sócios-fundadores e familiares. O evento contou com mensagem motivacional apresentada pela assistente de treinamento e desenvolvimento Júlia Portz, palestras do presidente Dirceu Bayer e do vice-presidente Renato Kreimeier, encerrando com almoço de confraternização.

Encarando a crise econômica

O presidente Dirceu Bayer ressaltou a importância da data e pregou a união de todos pelo desenvolvimento da Languiru. “A cooperativa é feita por pessoas e todos precisamos juntar forças, o que é essencial para superarmos as dificuldades impostas pelo atual cenário econômico. O Brasil vive a maior crise econômica e política da sua história, e o setor do agronegócio é muito atingido”, frisou, ressaltando que o evento de comemoração dos 61 anos da Languiru é também mais uma oportunidade de trazer informações sobre a cooperativa, de forma transparente, e esclarecer dúvidas.

Bayer apresentou números do desempenho econômico da cooperativa e ações desenvolvidas para o enfrentamento da crise. Lamentou, porém, a falta de apoio do governo. “Não existe uma política agrícola no Brasil. Não contamos com um estoque regulador para garantirmos o abastecimento interno e, com os altos volumes de milho exportados, registramos hoje o alto custo dos insumos, desestruturando nossos produtores. Paralelamente a isso, o governo autorizou o aumento da importação de leite em pó do Uruguai e da Argentina, justamente agora, em plena safra, ocasionando a queda do preço pago aos produtores. Pedimos que o produtor investisse e, de uma hora para outra, ‘tiram o tapete de todos’. E tudo isso também interfere nos resultados contábeis das cooperativas”, indignou-se, adiantando que uma comitiva gaúcha irá a Brasília pleitear por ações que protejam o produtor de leite. “Isso é uma injustiça, não pode ser assim. Como vamos ser competitivos se o governo não nos auxilia? O setor agropecuário é importante para o PIB nacional, mais não somos respeitados e valorizados de acordo.”

Sobre o desempenho econômico da Languiru no atual exercício, o presidente falou das dificuldades, mas reafirmou que “estamos fazendo o nosso dever de casa”. “Melhoramos muito de 2015 para 2016, e a expectativa é de que possamos perceber uma melhora da economia em 2017. Apesar de todas as dificuldades, estamos satisfeitos, pois queremos o melhor para a Languiru”, afirmou Bayer, enaltecendo o trabalho realizado pelos Conselhos de Administração e Fiscal.

“É difícil crescer em plena crise, mas nossas unidades industriais seguiram produzindo e vamos colher os resultados disso quando a economia melhorar. Quando tudo isso passar, vamos estar muito melhores, pois aproveitamos a crise para fazer o que precisa ser feito”, disse.

Crescimento apesar da crise

O vice-presidente Renato Kreimeier reafirmou o crescimento da Languiru apesar da crise econômica brasileira. “Mesmo diante de todas as adversidades, crescemos cerca de 17%. Isso é fruto do profissionalismo, pois não pode haver chance para o erro. Sobreviver a este momento tão difícil é, com certeza, motivo de comemoração. Embora soframos com o atual cenário, com o trabalho de todos, com eficiência e produtos de qualidade, marcamos forte presença no mercado”, afirmou, lembrando que o mercado produtivo passa constantemente por ciclos de evolução e retração.

Kreimeier também parabenizou de forma especial aos associados, “que fazem a diferença para enfrentar a crise e são os verdadeiros donos da cooperativa”. O vice-presidente ainda apresentou breve histórico da Languiru, fundada por um grupo de 174 agricultores em 13 de novembro de 1955.

“Temos muitos motivos para nos orgulharmos da Languiru, são poucas as empresas, cooperativas ou não, que ultrapassam os 60 anos”, acrescentou Kreimeier, falando também da atuação no mercado interno e externo, da diversidade produtiva e de volumes de produção. “Sofremos com a concorrência desleal das cooperativas diante das grandes empresas, mas nos mantemos firmes no nosso propósito de sempre procurar pagar nossos associados produtores com o preço mais justo.”

Para Kreimeier, o ano de 2015 foi extremamente desafiador, mas 2016 está sendo ainda mais difícil. “Apesar dos altos custos de produção, a eficiência da pequena propriedade é o remédio para enfrentarmos a crise. Paralelamente a isso, a diversidade produtiva da Languiru é primordial, nos possibilitando uma maior estabilidade. Com isso, precisamos ser bons em todos os setores, com cada um fazendo o seu trabalho bem feito, fazendo o seu melhor”, alertou, enfatizando ainda o estímulo à qualificação de associados e colaboradores e a busca constante por oportunidades de mercado. “No momento de crise também é preciso ter coragem, aliada à competência e ao profissionalismo. Isso é administrar, fazendo as mudanças quando forem necessárias para o bem da Languiru. Crises sempre vão existir, mas precisamos acreditar no nosso potencial”, encerrou.

Conselhos de Administração e Fiscal atuantes

Ao fazer uso da palavra, o secretário do Conselho de Administração, Roque Sílvio Schneider, elogiou o trabalho realizado e se disse orgulhoso em fazer parte da “Família Languiru”. “Contamos com produtores rurais de primeiro mundo, motivo de orgulho para todos os associados e para a cooperativa. Devemos seguir com este trabalho sério, comprometido e transparente”, disse.

O conselheiro Fiscal Eliseu Wahlbrinck também falou de transparência. “Todos buscamos o melhor caminho para a Languiru, unindo esforços para seguirmos juntos numa mesma direção. Contamos com uma direção muito dedicada e empenhada, sem ser omissa, com todos assumindo as suas responsabilidades”, frisou.

O consultor e assessor do Conselho Fiscal, Ânderson Meyer, da empresa Meyer & Meyer Consultoria e Assessoria Empresarial, também falou de ações desenvolvidas pelo crescimento da Languiru. “Temos as portas abertas no relacionamento com a direção, todos desenvolvendo o seu trabalho com muita seriedade. Com ferramentas de controle, buscamos incessantemente a eficiência produtiva em todos os setores. A Languiru possui um enorme potencial, e isso nos dá uma boa esperança para o futuro da cooperativa.”

Encerrando a programação do evento, antes do almoço de confraternização ainda foi aberto espaço para depoimentos e perguntas do quadro social, quando mais uma vez foi enaltecido o valor do trabalho das cooperativas, do investimento nas comunidades locais, contribuindo com a qualidade de vida e geração de renda das famílias envolvidas direta e indiretamente.

Texto: Ascom Languiru