Coronavírus Vale do Rio Pardo

Cisvale e Unisc assinam acordo para início de estudo da prevalência da Covid-19

Acordo foi selado na manhã desta quinta-feira, 25, em Santa Cruz do Sul. Trabalhos iniciam no próximo dia 18 de julho

Em assembleia realizada na manhã desta quinta-feira, 25, o Consórcio Intermunicipal de Serviços do Vale do Rio Pardo (Cisvale) e a Associação Pró-Ensino em Santa Cruz do Sul (Apesc), mantenedora da Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc), realizaram um ato de assinatura para o acordo de cooperação entre as entidades.

O documento estabelece as diretrizes para a execução de uma pesquisa com a finalidade de mensurar a soroprevalência de SARS-CoV-2 (vírus causador da Covid-19) na região de abrangência do Cisvale – Boqueirão do Leão, Candelária, Gramado Xavier, Herveiras, Mato Leitão, Pantano Grande, Passo do Sobrado, Rio Pardo, Santa Cruz Do Sul, Sinimbu, Vale do Sol, Vale Verde, Venâncio Aires e Vera Cruz.

O evento ocorreu na sede do Cisvale, em Santa Cruz do Sul, e contou com gestores e secretários dos municípios consorciados, além de representantes da Philip Morris Brasil, Associação dos Municípios do Vale do Rio Pardo (Amvarp) e da 13ª Coordenadoria Regional de Saúde (CRS), que são apoiadores da iniciativa.

Conforme o presidente do Cisvale e prefeito de Pantano Grande, Cassio Nunes Soares, o objetivo é manter o trabalho de combate ao novo coronavírus, com dados que direcionem o caminho a ser seguido pelos gestores para diminuir os dados à população da região.

“Desde o início dessa pandemia, tomamos atitudes em conjunto que fortaleceram os resultados. Precisamos de equilíbrio nesse momento de turbulência para que as ações sejam feitas de maneira adequada, justamente para termos os melhores resultados possíveis. Quem ganha com isso é a comunidade”, ressaltou o prefeito.

Mobilização para minimizar os efeitos

Presente no evento, o presidente da Amvarp, Paulo Butzge, salientou a parceria com o Cisvale na colaboração das ações. “Em nome da nossa associação, agradeço a todas as pessoas que entenderam o momento que estamos vivendo e a necessidade de obtermos dados concretos para a nossa região. Com essa parceria, poderemos fazer a diferença.” A execução da testagem será realizada pelos municípios que compõem o Cisvale, após a instrução técnica e científica repassada pela Unisc.

“Todos estamos mobilizados para minimizar os efeitos da Covid-19. Para nossa satisfação, a Unisc completa nesta quinta-feira seus 27 anos, e estar aqui é a evidência do nosso compromisso com a comunidade e região, sendo objeto de um convênio de pesquisa como esse. Levar ciência e produzir conhecimento que impõe melhorias para a nossa comunidade local e regional, é da nossa missão”, comentou a reitora da Unisc, professora Carmen Lúcia de Lima Helfer.

Colaboração com a comunidade

Desde o início da pandemia da Covid-19, a Philip Morris Brasil (PMB) tem investido em iniciativas de enfrentamento à pandemia em todo o País, com destaque especial para a região do Vale do Rio Pardo, onde está localizada sua operação. Desde março, a área da saúde recebe o apoio irrestrito da companhia, quer por meio de recursos financeiros ou mesmo trabalho voluntário de seus colaboradores.

A mais recente atividade endossada pela PMB é o aporte de recursos financeiros junto à Unisc para a viabilização da coordenação técnica da pesquisa realizada em parceria com o Cisvale, assim como os custos operacionais envolvidos na capacitação e deslocamento dos profissionais responsáveis pela realização dos testes nos municípios da região.

“Neste momento em que toda a sociedade sofre o impacto do coronavírus, queremos colaborar com a comunidade em geral, para que possamos superar as dificuldades o quanto antes. A região do Vale do Rio Pardo tem grande relevância para nossas operações, e é natural que estejamos juntos para superarmos esse grande desafio. Somente por meio da união de todos vamos conseguir superar esse momento crítico”, afirma Alejandro Okroglic, diretor de operações da Philip Morris Brasil.

Como irá funcionar a pesquisa

A pesquisa encomendada pelo Cisvale terá início nos dias 18 e 19 de julho, de forma simultânea nos 14 municípios consorciados ao Cisvale. Ao todo, serão quatro etapas de realização de testes, uma a cada 14 dias, sempre aos finais de semana.

Em cada etapa, serão aplicados pouco mais de mil testes rápidos – coletados a partir de uma gota de sangue retirada da ponta do dedo da pessoa testada, para ser analisada por um aparelho –, totalizando os cinco mil adquiridos pelo Cisvale. A divisão de exames para cada município será realizada a partir de um cálculo matemático, obedecendo a consideração populacional.

Quem irá aplicar os testes rápidos serão servidores municipais de cada prefeitura, sendo supervisionados por professores locais. Todos serão treinados antes de irem a campo. O médico infectologista Marcelo Carneiro será o coordenador geral do estudo. “Vamos trabalhar para que tudo funcione e saia da melhor forma possível, diante deste desafio de realizar todos os exames ao mesmo tempo em várias cidades”, comentou Carneiro. Segundo ele, a forma de análise a ser realizada entrega um diagnóstico fiel ao que o campo de pesquisa apresenta.

“O que temos percebido desde abril é que o desempenho da doença respiratória é muito parecida, e uma análise dessa forma consegue dar o retrato de como está esse comportamento para, a partir daí, entender as condutas e medidas que estamos fazendo ou o quanto isso está impactando na disseminação da doença.”

Serão divulgados relatórios parciais ao final de cada etapa e um relatório completo ao final do estudo. A previsão é de que a última etapa ocorra nos dias 29 e 30 de agosto.

 

 

Fotos: Divulgação
Assessoria de Imprensa