Rural - Agricultura Teutônia

Curso de Produção de Morango em Substrato forma duas turmas de produtores em Teutônia

O Curso de Produção de Morango em Substrato – Sem Resíduos de Agrotóxicos concluiu mais duas turmas de produtores nesta semana, no Centro de Formação de Agricultores de Teutônia (Certa). Com cerca de 90% de atividades práticas, a capacitação foi ministrada por extensionistas da Emater/RS-Ascar, que discutiram temas diversos abordando toda a cadeia produtiva do cultivo do morangueiro. Até o final do ano outras quatro turmas serão qualificadas, que se somarão a outros 180 agricultores e técnicos que já concluíram o curso, iniciado em agosto de 2017.

 

Para o coordenador do Certa, Maicon Berwanger, havia muita carência de informação sobre o tema, não apenas sobre manejo, mas também a respeito do mercado e do comportamento do consumidor, que agora está sendo suprida pela atividade. “Com a falta de um ‘modelo definido’ para o morango, na região, o que se percebe é que os produtores chegam ao curso com muitas dúvidas”, enfatiza. Não é por acaso que todo o ciclo do morango em substrato é abordado na atividade, iniciando na estrutura produtiva, na colocação da bancada e no enchimento dos slabs, até chegar às potencialidade e ao retorno econômico do cultivo.

 

Entre os temas trabalhados pelos técnicos, estão não apenas a fisiologia da planta, o preparo das mudas e a elaboração de soluções nutritivas, mas também o manejo da água e da fertirrigação, estratégias para o controle de pragas, elaboração de caldas e colheita e pós-colheita. “Em linhas gerais, o que se procura é fazer com que os participantes percebam a importância de se manter uma rotina de monitoramento dos morangos”, explica Berwanger. “De nada adianta plantar e não acompanhar, não fazer o manejo das plantas, a limpeza, as podas”, reforça.

 

Para o jovem Cristian Kretschamann, da localidade de Boa Esperança, Cruzeiro do Sul, ainda que o cultivo do morango tenha as suas exigências, ele não é tão complexo quanto outros. “É claro que temos de estar atentos às pragas ou às doenças, que às vezes podem surgir de uma hora para outra”, afirma. Técnico agrícola de formação, Kretschamann investe no cultivo de morangos há cerca de dois anos. “Como na casa dos meus pais havia algumas plantas no chão, já possuía uma pequena experiência”, relata o produtor que, atualmente, possui duas estufas com seis mil pés, que deverão render cerca de 3.500 quilos na safra desse ano.

 

Participante ativo de cursos e capacitações, o jovem salienta a importância do conhecimento, do acesso às tecnologias disponíveis e a troca de experiências. Em sua jornada, também destaca o papel da esposa Camila – que trabalhava no comércio e retornou para a propriedade – e dos sogros, que vivem no mesmo local. Animados com a produção de morangos, o casal estuda implantar outras frutas vermelhas, como amora e framboesa, além de pitaya. “A gente percebe que é importante diversificar, especialmente na ideia de produzir alimentos limpos e que serão entregues diretamente ao consumidor”, finaliza.

 

 

Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar – Regional Lajeado
Jornalista Tiago Bald