Solidariedade RS Destaques

Edição 2018 estimula doação de peças para aquecer inverno de crianças

Jingle oficial foi interpretado pelo Coral Carlos Bina Sogil, de Gravataí (Foto: Dani Barcellos/Palácio Piratini)

Quem nunca deixou uma roupa guardada no armário, imaginando que ela seria usada no futuro? No entanto, depois de um tempo, percebe-se que a peça ficou mais um ano guardada no fundo do roupeiro. A Campanha do Agasalho 2018, lançada oficialmente nesta segunda-feira (4), em Porto Alegre, pretende incentivar que essas roupas sejam doadas para aquecer o inverno de quem mais precisa.

Com o tema O seu guarda-roupa esconde verdadeiros tesouros, a campanha mostra que aqueles agasalhos que perdem o valor para alguns, têm muito valor para outros. E que um pouco de carinho e atenção são suficientes para fazer esta seleção. A edição 2018 pretende arrecadar qualquer tipo de roupa, com enfoque maior nas infantis, que registram menor doação. A expectativa este ano é recolher entre 340 e 350 mil peças.

Na Sala da Música do Multipalco do Theatro São Pedro, o conceito desta edição foi apresentado para convidados e imprensa durante o encerramento do 4º Encontro de Primeiras Damas, organizado pelo Gabinete de Políticas Sociais (GPS), pasta comandada pela secretária extraordinária Maria Helena Sartori.

Toneladas são arrecadadas anualmente e destinadas para quem precisa enfrentar o rigoroso frio do inverno gaúcho. Só que a maioria são roupas para adultos. Por isso, a Defesa Civil, responsável pela Central de Doações que funciona o ano inteiro no Centro Administrativo do Estado, quer mudar a realidade e está concentrando esforços na doação de vestuário infantil. O governo entende que existe um hábito entre amigos e familiares de passar essas roupas adiante, mas alerta que muitas crianças ainda passam frio.

Além de agasalhos, é possível entregar alimentos não perecíveis, cobertores e materiais de higiene. Os donativos podem ser levados à Central de Doações da Defesa Civil, na capital, ou a uma das nove coordenadorias regionais em funcionamento no Estado – responsáveis pela triagem, separação e distribuição a municípios, instituições e entidades.

O subchefe da Defesa Civil Estadual, coronel Jarbas Ávila, falou da expectativa de arrecadação na campanha deste ano. “Considerando que tivemos três anos de aumento nos números – e quando a gente fala em arrecadação, também está falando em distribuição -, contamos com uma média acima de 300 mil itens, tentando atingir entre 340 e 350 mil peças”, enfatizou.

Segundo o órgão estadual, em 2015 foram arrecadados 246.747 agasalhos; em 2016, 310.231; e em 2017, 325.940. “Ressaltamos que, para 2018, precisamos focar nas crianças. Existe a tendência de doação para pessoas mais próximas e, por isso, as peças não chegam até nossa Central de Doações nem aos municípios”, reforçou Ávila.

Corrente do bem

“A Campanha do Agasalho é uma corrente do bem para ajudar a vencer a desigualdade. Solidariedade é resgatar a autoestima e melhorar a qualidade de vida das pessoas. Precisamos ser educados para a solidariedade e o voluntariado, para termos uma sociedade melhor. Quem doa está fazendo a corrente do bem”, destacou o governador José Ivo Sartori.

Para Maria Helena Sartori, a iniciativa não compete com as ações municipais e auxilia os municípios a ampliarem o resultado. “A gente sabe que, quando o frio chega, as pessoas vão olhar no seu guarda-roupa e ver o que elas têm para usar, mas também podem encontrar grandes tesouros. Que é aquela roupa que por diversas situações não é mais usada e que pode amenizar o frio de quem necessita”, disse.

Caça aos tesouros

Durante o lançamento foi apresentado o vídeo oficial da campanha, inspirado no faz de conta que cerca a infância de todo mundo. Trata-se da história de um menino que, ao procurar roupas para doar, embarca numa aventura pirata à caça de verdadeiros tesouros.

O ator mirim do filme e tenista Pedro Neves de Mello fez a encenação da busca ao tesouro durante o evento e, junto com a secretária Maria Helena Sartori, colocou a primeira doação da jornada solidária dentro da caixa de coleta.

O jingle oficial foi interpretado pelo Coral Carlos Bina Sogil, de Gravataí. O grupo faz parte de um projeto extracurricular, pedagógico e de inclusão social desenvolvido em parceria com a Escola Estadual de Ensino Médio Carlos Bina e a Sociedade de Ônibus Gigante (Sogil).

Recordista

O Gabinete de Políticas Sociais e a Defesa Civil Estadual homenagearam o município que mais arrecadou agasalhos em 2017. Carlos Barbosa, na Serra, foi a cidade com maior número de donativos, suprindo a necessidade da comunidade e ainda ajudando outras cidades.

Confira os pontos de coleta:

– Centro Administrativo Fernando Ferrari (Caff), na Av. Borges de Medeiros, 1501 – Porto Alegre

– Órgãos públicos estaduais

– Quartéis da Brigada Militar e do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Sul

– Supermercados Zaffari

– Unidades do Sesc/Senac no Estado

A Defesa Civil também faz o recolhimento mediante agendamento pelo telefone (51) 3288-6781.

Texto: Cassiane Osório
Edição: Gonçalo Valduga/Secom