Serviços Solidariedade Coronavírus Brasil

Empresa gaúcha transforma negócio para apoiar pequenos empreendedores e profissionais e cria mobilização social durante crise

Em um dia, o time da Dobra transformou todo o site e estrutura interna para criação de conteúdo online gratuito e mais de 1800 pessoas já se inscreveram para curso sobre como abrir um negócio colaborativo

Warren, WTF! School, Aviva, Smile Flame e várias outras empresas estão aderindo a iniciativa e abrindo seus conteúdos gratuitamente na plataforma do coletivo

Em apenas um dia, a empresa gaúcha Dobra mudou completamente o seu negócio. As medidas de isolamento social provocadas pela expansão do corona vírus fizeram com que a empresa tomasse a decisão de migrar o e-commerce da marca para uma plataforma de vídeos e cursos gratuitos para apoiar pequenos empreendedores, profissionais a repensarem seu dia a dia de forma leve, divertida e gratuita.  

A Dobra reuniu todos os seus conteúdos e de parceiros como Warren, WTF! School, Aviva, Smile Flame na plataforma apelidada de Dobraflix . Várias outras empresas devem disponibilizar seus conteúdos nos próximos dias. A mobilização espera contribuir para conectar pessoas, marcas dentro de um propósito de colaboração. 

“São tempos diferentes. Depois de mudar nosso site inteiro para um site de conteúdo, e não de venda de produtos, decidimos liberar também nosso “único produto vendável” do momento (o único produto digital, que não depende de produção ou entrega de transportadoras). O curso da Dobra está 100% de graça pra quem quiser, por tempo indeterminado”, explica Eduardo Hommerding, um dos fundadores. 

A empresa disponibiliza a possibilidade de quem assistiu pagar a qualquer quantia que a pessoa quiser pelo curso, caso queira contribuir.  Mais de 2.000 pessoas já se inscreveram no curso da Dobra em apenas um único dia. E mais de 100 já baixaram os moldes da carteira exclusiva da marca para fazer em casa. 

Antes da mudança de rota, a maior fonte de receita na Dobra era a venda de produtos físicos – todos objetos de desejo. Ou seja, num momento de crise, deixa de ser de prioridades de compra. Como o modelo de negócio adotado pela Dobra é de economia colaborativa, com a crise e redução da produção, a rede da marca, composta por costureiras, artistas, artesãos e pequenos empreendedores, ficaria comprometida. Por isso, a Dobra decidiu que irá continuar pagando estes profissionais. 

“Mesmo que com uma venda muito mais baixa e, possivelmente até inexistente, vamos bancar 50% da renda média de cada um que trabalha na nossa rede (isso além do valor de produtos feitos no mês caso a produção continue) para manter a economia girando e criarmos uma consciência de colaboração”, reforça Guilherme Massena, também fundador. 

 

Manifesto Dobra

Em tempos que a distância se faz necessária, precisamos repensar nosso contato com as pessoas. Marcas e pessoas não precisam apenas se reconectar, PRECISAM SE CONECTAR DE VERDADE. 

A dobra nunca existiu pra vender produtos, e não é o que vamos fazer agora. Precisamos parar, precisamos respirar. 

Estamos com você agora, nas nossas casas, distantes – e mais perto do que nunca. Acreditamos que juntos podemos mudar tudo. 

Queremos que você fique bem, que fique em casa e que fique seguro. 

Mudamos nosso site inteiro. Por ora, a Dobra vai existir como um canal de conteúdo, na esperança de entreter seus próximos dias, de deixar tudo mais leve, mais fácil e divertido. 

Site: https://querodobra.com.br/

Instagram: https://www.instagram.com/querodobra/

 

 

Assessoria de Imprensa Pipah Comunicação