Social Saúde RS RSS Estrela

Estrela reforça políticas voltadas a crianças e gestantes

Nas visitas, crianças recebem acompanhamento por profissionais do programa (Foto: Jaqueline Backes)

Começaram no início deste mês as visitas domiciliares dos programas Primeira Infância Melhor (PIM) e Criança Feliz, em Estrela. A adesão do município ocorreu em 2017 e a execução e implementação da política, voltada a gestantes e crianças de zero a três anos de idade, está sob responsabilidade das secretarias municipais de Desenvolvimento Social, Trabalho e Habitação (Sedesth), da Educação (Smed) e da Saúde.

Os programas Primeira Infância Melhor (PIM) e Criança Feliz (PCF) são políticas públicas que recebem recursos estaduais e federais, para atuarem no atendimento à primeira infância na sua integralidade. No Rio Grande do Sul, caminham juntos na sensibilização, articulação, implantação e execução. O Grupo Técnico Municipal (GTM) planeja, monitora e avalia as ações desenvolvidas, seleciona e capacita os visitadores e identifica as famílias para atendimento. É formado pela psicóloga Lilian Schmidt (Saúde), assistente social Marli Hauschild (Sedesth) e pela pedagoga Ana Möllmann (Smed). A supervisora-monitora é a assistente social Elisângela Beatris Becker.

Beneficiários:

Um total de 150 famílias em situação de vulnerabilidade social, que recebem transferência de renda do Programa Bolsa Família, serão beneficiadas pelos programas. O mapeamento foi feito de maneira mais intensiva nos bairros das Indústrias, Moinhos, Oriental, Boa União e Imigrantes, Loteamentos Nova Morada I e II, parte do Distrito de Glória, onde se localiza a aldeia indígena. Atualmente o Cadastro Único aponta a existência de 1.294 famílias. Destas, 481 recebem a Bolsa Família. As selecionadas já passaram por encontros de sensibilização, quando foram preparadas e orientadas para receber os visitadores.

Em maio e junho ocorreram a efetivação e capacitação do grupo de visitadores, formado por estudantes dos cursos de pedagogia, serviço social, nutrição, enfermagem e letras. Eles receberam orientações sobre a metodologia, funcionamento, instrumentos e ferramentas dos programas, além de conhecerem as áreas onde vão atuar, como as Unidades Básicas de Saúde (UBS), Centro Materno-infantil (Cami) e serviços do Centro de Referência de Assistência Social (Cras). Inicialmente são sete visitadores, mas a meta é efetivar dez. Os demais, que passaram pelo curso de capacitação, integram o cadastro reserva.

Nos domicílios eles realizam atividades e brincadeiras para estimular vínculos familiares e proporcionar um desenvolvimento integral mais saudável. O atendimento às gestantes também é prioridade. Um dos recursos utilizados no trabalho será o Livro da Família, no qual serão descritas todas as etapas do crescimento da criança.
“Nosso governo tem a visão de proteção e prevenção das gestantes e das crianças, que são a base da nossa comunidade”, diz o secretário da Saúde, Elmar Schneider, lembrando que Estrela foi um dos primeiros municípios do Estado a aderir ao Criança Feliz. Segundo ele, são iniciativas que oportunizam conhecer a cidade e as pessoas que nela vivem.

Para a assistente social e supervisora do programa, Elisângela Becker, a expectativa é de que o município tenha um ganho importante com a implantação do programa. “Crianças que recebem estímulos adequados na fase inicial da vida apresentam melhor rendimento escolar, menores problemas de socialização e se tornam adultos mais seguros”, explica.

Iniciativa aprovada

A dona de casa Danusa Cristina de Quadros (28), moradora do Bairro das Indústrias, recebeu a visitatora do PIM, Júlia Meinerz, por conta da filha Lara, de 1 ano e 3 meses. Para ela, a iniciativa é bem-vinda. “Achei bom ter um acompanhamento e também gostei da parte da recreação”, diz a mãe.
Na primeira visita, acompanhada também pela supervisora Elisangela Becker, a família recebeu orientações sobre o funcionamento do programa e preencheu um formulário a respeito da rotina da criança. A visitadora ainda trabalhou com brinquedo confeccionado a partir de material reciclado, a fim de despertar a curiosidade da criança. No final do atendimento, deixou o brinquedo para que seja explorado durante a semana.

Texto: Ascom Estrela