Região Educação RSS

Estudantes da Univates embarcam para a China

Seis estudantes da Univates embarcam no início de agosto para estudar na China por quatro anos (Foto: Ana Amélia Ritt)
Seis estudantes da Univates embarcam no início de agosto para estudar na China por quatro anos (Foto: Ana Amélia Ritt)

O que você sabe sobre a China? Um país do outro lado do mundo, com cerca de 1,36 bilhão de habitantes e conhecido por exportar produtos. Agora, você já se imaginou morando lá por quatro anos? É isso que seis estudantes da Univates decidiram fazer a partir do mês de agosto. Eles, que embarcam no próximo dia 10, irão para Macau, região localizada a uma hora de Hong Kong por via aquática e a uma hora de trem de Cingapura. Lá cursarão licenciatura em Língua Chinesa para Estrangeiros, oferecida pelo Instituto Politécnico de Macau (IPM).

Alexandra Leticia Ostapiuk, de apenas 18 anos, é natural de Montenegro e é uma das pessoas que embarcarão para a cidade asiática. Na Univates, Alexandra estudava Relações Internacionais e viu no curso de Língua Chinesa um investimento a longo prazo. “Escolhi o intercâmbio principalmente por aprender uma nova língua. Vou voltar para o Brasil e já terei uma nova experiência. Gostei de Macau devido à cultura portuguesa, por mais que seja uma cidade asiática, há ruas em português e outras influências”, comenta. Sobre a reação da família, a estudante diz que todos de sua família ficaram muito felizes, principalmente seu tio, que é professor e incentivou a oportunidade desde o início.

“Sempre quis sair do Brasil, não porquê eu não goste do meu país, mas porque acredito que temos de sair da nossa realidade para ter uma visão melhor”, comenta Felipe Hillebrand Heberle, que também realizará o intercâmbio. Também influenciado pelo aprendizado da nova língua, o estrelense afirma que em Macau há muito turismo. “Com isso, vou encontrar muitos aspectos de outras culturas, como a do Brasil, o que vai diminuir um pouco a saudade”. Heberle pretende continuar cursando Publicidade e Propaganda na Univates quando retornar, mas sua ideia principal é manter a conexão com a China.

Cada um dos estudantes participantes recebe bolsa, que inclui o valor total do curso, alojamento e alimentação por quatro anos – tempo total de duração do curso, que tem início em setembro. Essas bolsas serão custeadas pelo governo chinês e pelo IPM. “O fato de ter bolsa me ajudou muito. Aqui só conseguia fazer poucas disciplinas, agora posso me formar em quatro anos”, destaca Alexandra.

Saiba mais
Por séculos, Macau foi uma mistura das culturas chinesa e portuguesa, já que o local foi uma colônia de Portugal por mais de 400 anos. Após intensas negociações, iniciadas em 1987, Macau regressou à soberania da China em dezembro de 1999. Desde então, Macau, assim como Hong Kong, é uma das duas Regiões Administrativas Especiais (RAE) da República Popular da China. Apesar disso, Macau mantém suas características sociais e econômicas à luz do princípio “um país, dois sistemas”. O lugar é conhecido como a “Las Vegas Oriental” por possuir vários cassinos. A maior parte da economia de Macau é baseada no turismo e a região é muito moderna.

Alunos que irão para a China: 

– Alexandra Leticia Ostapiuk – Montenegro
– Arthur Clain Ibing – Lajeado
– Bruna Ines Sebastiany – Cruzeiro do Sul
– Daniel de Souza Dutra – Lajeado
– Felipe Hillebrand Heberle – Estrela
– Genaro Toreti – Teutônia

Texto: Portal Região dos Vales/Ascom Univates