RS Educação RSS Santa Clara do Sul

Feira realça o empreendedorismo dos alunos

Alunos da Escola Gustavo Seidel, de Sampainho, vendendo os produtos desenvolvidos no colégio (Foto: Rafael Simonis)

O entusiasmo visível no rosto do pequeno Artur Cauã Althaus Schmitt, de apenas 9 anos, transparecia o orgulho do estudante do 3º ano da Escola Municipal Willibaldo Both em participar da 1ª Feira de Empreendedorismo de Santa Clara do Sul no último sábado, dia 24 de novembro. A sua facilidade de comunicação e de atendimento sobressaiam-se toda vez que um “cliente” visitava o espaço onde vendia os produtos elaborados pela turma.

Por meio do projeto Jovens Empreendedores Primeiros Passos (JEPP), desenvolvido na rede municipal de ensino desde o início do ano, Artur despertou habilidades importantes para a sua vida pessoal e profissional. Com o auxílio de pais e professores, o estudante não apenas participou da criação dos materiais, mas também vendeu os produtos durante a feira. “Fizemos brinquedos com materiais recicláveis, como caminhões, fazendinha, trator, tablet, computador, foguetes e várias outras coisas. Foi muito legal”, salienta.

Assim como Artur, alunos de todas as escolas municipais estão engajados no projeto, que é realizado pela Secretaria da Educação em parceria com o Sebrae. A intenção é possibilitar que a criança aprenda de forma lúdica e desenvolva comportamentos empreendedores no ambiente escolar. Num primeiro momento houve a capacitação dos professores e, a partir do segundo semestre, iniciaram as atividades com os estudantes.

Na comunidade de Sampainho, a exposição e venda foi realizada por alunos das escolas Gustavo Seidel e Willibaldo Both. E no Centro, foram os estudantes da Escola Sereno Afonso Heisler que mostraram os resultados alcançados até agora. Celso Luiz Henriques da Silva veio prestigiar a filha Caroline, que estuda no 4º ano da Escola Sereno Afonso Heiler. “Essa iniciativa é muito boa porque faz com que as crianças aprendam desde cedo a se relacionar, a conviver socialmente, a encarar desafios e perder a timidez”, salienta.

As turmas do 1º ano ao 9º ano de todos os colégios municipais de Ensino Fundamental integram o projeto, que é composto pelas seguintes temáticas: O mundo das ervas aromáticas, Temperos naturais, Oficina de brinquedos ecológicos, Locadora de produtos, Sabores e Cores, Ecopapelaria, Artesanato sustentável, Empreendedorismo social e Novas ideias, grandes negócios.

Cada turma organizou lojas e criou produtos para venda nas feiras. “Durante o projeto desenvolveu-se habilidades de planejamento, organização, criatividade, trabalho em equipe, observação, pesquisa, levantamento de dados e oralidade. A participação da família foi fundamental para o desenvolvimento de ideias e propostas”, frisa o secretário de Educação, Mauro Heinen.

O prefeito Paulo Kohlrausch destaca que o JEPP faz parte do programa Santa Clara Tem Valor. Segundo ele, o objetivo é disseminar a cultura empreendedora nas crianças para que no futuro tenham um protagonismo cada vez maior no município. “O projeto favorece o desenvolvimento de atributos e atitudes necessários para que os jovens consigam gerir melhor as suas vidas e, por consequência, serem mais felizes”, observa.

Além das atividades nos colégios Gustavo Seidel e Sereno Afonso Heisler, está programada a feira de empreendedorismo na Escola Frei Henrique de Coimbra neste sábado, dia 1º dezembro, a partir das 9h30min. Toda a comunidade está convidada a prestigiar o evento, que evidencia a criatividade dos alunos em parceria com os pais e professores.

Conheça o JEPP

Desenvolvido em parceria com o Sebrae, o Jovens Empreendedores Primeiros Passos (JEPP) é um projeto de educação empreendedora proposto para o Ensino Fundamental que incentiva os alunos a buscarem o autoconhecimento, novas aprendizagens e o espírito de coletividade.

A ideia é a de que a educação deve atuar como transformadora desse sujeito e incentivá-lo à quebra de paradigmas e ao desenvolvimento das habilidades e dos comportamentos empreendedores, favorecendo o envolvimento dos jovens estudantes no próprio ato de fazer, pensar e aprender.

O ambiente da aprendizagem sensibiliza os estudantes a assumirem riscos calculados, a tomarem decisões e a terem um olhar observador para que possam identificar, ao seu redor, oportunidades de inovações, mesmo em situações desafiadoras.

Texto: Ascom Santa Clara do Sul