Roca Sales Rural

Fertirrigação com Dejetos Suínos é tema de Tarde de Campo em Roca Sales

Um grupo de 40 agricultores participou na última sexta-feira (06/12) de uma Tarde de Campo sobre Fertirrigação com Dejetos Suínos, que podem ser aplicados em culturas diversas, como milho, sorgo e pastagens. A atividade, organizada pela Emater/RS-Ascar e Prefeitura de Roca Sales – com o apoio das empresas Justi  Máquinas e Peças e RF Piscicultura Aeradores e Equipamentos – foi realizada na propriedade da família Ellwanger, da localidade de Linha Marechal Deodoro.

Na ocasião foram apresentadas as tecnologias que estão sendo empregadas na região, bem como os equipamentos que visam a auxiliar nesse manejo. Presente na estação que discutia projetos e equipamentos, o gerente regional da Emater/RS-Ascar Marcelo Brandoli salientou a importância da fertirrigação como um modelo que reduz custos, facilita o trabalho do agricultor e torna mais eficiente a distribuição de dejetos oriundos da produção animal. “Fora o fato de que cada propriedade contará com um projeto que esteja de acordo com a sua realidade, não havendo um único modelo a ser adotado”, pontuou.

Menos perigoso do que o sistema que utiliza a aplicação de esterco com trator, especialmente em terreno acidentado, a fertirrigação também permite depositar um dejeto de qualidade, como destacou em sua estação o supervisor da Emater/RS-Ascar, engenheiro agrônomo Cezar Burille. “Nesse sentido, também é importante que o agricultor saiba quanto do produto ele deve aplicar em sua lavoura, para que as necessidades das culturas adubadas sejam atendidas da melhor forma possível”, salienta. “Assim, conhecer a densidade do dejeto se torna o caminho inicial”, frisa. 

Extensionista da Emater/RS-Ascar em Roca Sales, o engenheiro agrônomo Guilherme Miritz destaca o fato de a atividade ter o objetivo de sensibilizar os produtores para esta técnica, apresentando os modelos disponíveis que poderão facilitar as futuras tomadas de decisão. Anfitrião do dia, Ricardo Ellwanger valorizou o sistema, que representou uma grande mudança no que diz respeito ao manejo das pastagens. “Agora, conseguimos distribuir os dejetos de duínos em toda a área, de maneira uniforme, sem agredir o meio ambiente, nos permitindo ainda a adubação em dias que não seria possível ‘entrar com o trator’”, avalia.

 

 

Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar – Regional de Lajeado
Jornalista Tiago Bald