RS RSS Roca Sales Rural

Fruticultura é tema de Seminário em Roca Sales

Em sua 11º edição, evento reuniu mais de 90 agricultores de 11 municípios (Foto: Tiago Bald)

Evento já tradicional no município de Roca Sales, o Seminário de Fruticultura chegou nesta terça-feira (15) a sua 11ª edição. A atividade – organizada pela Emater/RS-Ascar com o apoio da Prefeitura, Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR) e da cooperativa Sicredi – foi realizada no salão da comunidade de Linha Parobé Alto e reuniu mais de 90 agricultores dos municípios de Muçum, Relvado, Dois Lajeados, Vespasiano Corrêa, Putinga, Doutor Ricardo, Arvorezinha, Encantado, Alto Feliz e Anta Gorda, além de Roca Sales.

Primeiro palestrante da tarde, o extensionista da Emater/RS-Ascar Guilherme Miritz abordou dois temas: gestão da propriedade e falsa verrugose na goiabeira. No primeiro, apresentou os objetivos e ações do Programa de Gestão Sustentável da Agricultura Familiar (PGSAF) do Governo do Estado que estão sendo implantados em Roca Sales. No segundo, realizou relato sobre a ação de assistência técnica que contribuiu para a manutenção da sanidade das goiabeiras, após um severo problema fitossanitário que atacou os pomares na safra passada.

Inicialmente confundida com uma antracnose, a doença deixava as frutas cheias de verrugas escuras, com deformações e propensas a queda, o que levou muitos agricultores a descartarem cerca de 50% da safra. “E o caso é que o agente causador, no caso o tripes, só foi possível de ser identificado com o auxílio de um pesquisador da Embrapa”, destaca Miritz. “Foi somente a partir daí que foi possível sugerir aos fruticultores a aplicação controlada de inseticidas que contribuíssem para o enfraquecimento desse agente”, completa.

No segundo painel da tarde, o assistente técnico regional em Sistema de Produção Vegetal da Emater/RS-Ascar, Derli Bonine, apresentou o tema “Adubação no solo e foliar em frutíferas”. “Tudo começa com uma boa análise de solo para que se faça se necessária, a correção de sua acidez”, ressalta Bonine. Os próximos passos, de acordo com o extensionista, envolvem as adubações de formação e, mais tarde, a de manutenção. “Por fim, a adubação foliar, se necessária, garantirá o fornecimento de nutrientes na forma de pulverização, aproveitando a capacidade de absorção das folhas”, completa Bonine.

Responsável por fechar o dia de atividades, o assistente técnico estadual de Fruticultura da Emater/RS-Ascar, Antônio Conte, ministrou palestra com o tema “Viticultura: novas fitopatias na Serra Gaúcha”. Em sua fala, mencionou o surgimento de doenças como a podridão negra, a pinta preta e o black rot (chocolate), além da a morte precoce das videiras, por fatores relacionados ao clima, como alguns dos problemas enfrentados pelos agricultores. Ao final de sua palestra apresentou algumas alternativas para controle destas e de outras doenças relacionadas ao cultivo.

Para o agricultor Almir Carletto, do município sede, eventos como o seminário oportunizam aos agricultores o acesso a novos conhecimentos e a troca de experiências. “Participo desde a primeira edição e a gente sempre aprende alguma coisa”, ressalta. Maior produtor de uvas no município – na propriedade são oito hectares de videiras plantadas que, na última safra, renderam 120 toneladas de frutas – Carletto nota a diferença na adoção de uma adubação adequada ou da aplicação correta de caldas no pomar. “É algo que faz a diferença”, finaliza.

Texto: Ascom Emater/RS-Ascar – Regional de Lajeado