Rural - Agricultura Westfália

Importância e desafios da agricultura familiar pautam 3º Encontro de Jovens Rurais

Comitiva de Tupandi tratou sobre incentivos e produção de aves de corte

Programação foi realizada na sexta-feira, dia 19 de julho, e reuniu mais de 150 pessoas, comprovando o sucesso da terceira edição

No interior dos municípios, com o passar dos anos e o avançar da tecnologia, a modernização também marca presença, beneficiando positivamente os serviços e a mão-de-obra no campo. Promovendo a troca de experiências e informações, além de debates e reflexões sobre o setor primário, o município de Westfália, por meio da Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente, e a Ascar/Emater-RS realizaram na sexta-feira, dia 19 de julho, o 3º Encontro de Jovens Rurais.

Tendo por local o Centro Comunitário de Linha Frank, a programação, que teve como tema central “A importância e os desafios da agricultura familiar”, iniciou com abertura e pronunciamento de autoridades. Durante todo o dia, prosseguiu-se com palestras e debates sobre diversos temas que envolvem o setor primário, como as perspectivas para a permanência do jovem no campo e avanços para a consolidação da sucessão rural.

Nesta edição, o ponto alto da atividade foi a participação do secretário nacional da Agricultura Familiar e Cooperativismo do Governo Federal, Fernando Schwanke. Durante sua fala, ele abordou a gestão rural, a diversificação das culturas e a profissionalização do campo, trazendo ainda uma mensagem de otimismo aos agricultores e lideranças presentes.

Além de produtores westfalianos, o 3º Encontro de Jovens Rurais reuniu autoridades locais e regionais, líderes de entidades ligadas ao setor primário e representantes de municípios vizinhos, somando-se mais de 150 participantes, o que comprova o sucesso da terceira edição do evento. Em 2020, a programação deve ocorrer, novamente, no mês de julho.

 

Investimentos e dedicação ao trabalho no campo

Abrindo os pronunciamentos do 3º Encontro de Jovens Rurais, o diretor técnico da Ascar/Emater-RS, Alencar Paulo Rugeri, parabenizou o município de Westfália pela organização do evento. “Trabalhar a sucessão rural é pensar no futuro. Parabéns por esta iniciativa e pela excelente pauta abordada no dia de hoje”, enalteceu Rugeri.

A presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR) de Teutônia e Westfália, Liane Brackmann, frisou a importância de manter políticas públicas em prol do crescimento do setor. “Nossa produção não é garantida por pequenos produtores, mas por grandes produtores em pequenas propriedades rurais”, destacou ela.

Conforme o prefeito de Teutônia e presidente da Associação dos Municípios do Vale do Taquari (Amvat), Jonatan Brönstrup, os municípios da região estão engajados na busca por melhorias na área da tecnologia, em se tratando de serviços de telefonia fixa e móvel e internet. “Precisamos oferecer condições para que os jovens permaneçam na propriedade, desenvolvendo as mesmas, criando suas famílias e gerando retorno e renda para os municípios”, completou, reiterando que o Vale do Taquari precisa ser, cada vez mais, protagonista no desenvolvimento do Rio Grande do Sul.

Na sua fala, o secretário de Agricultura e Meio Ambiente, Vitor Cristiano Ahlert, enalteceu a importância do 3º Encontro de Jovens Rurais de Westfália. “Esta programação é fruto do que falamos há algum tempo: deixarmos um dia por ano para falarmos sobre a nossa agricultura. Então, este é um dia para refletirmos em conjunto e pensar no que podemos melhorar, no que podemos reivindicar e o que podemos aprender”, destacou, dizendo sentir-se feliz e honrado com a presença da comunidade local e visitante.

Encerrando os pronunciamentos de abertura, o prefeito de Westfália, Otávio Landmeier, frisou a importância que o setor primário tem para o Município, representando, em média, 60% do retorno em ICMS. “Em primeiro lugar, quem é responsável por estes resultados é o nosso produtor, que trabalha, se dedica e se empenha. Em segundo lugar, devemos este resultado a parceria das entidades ligadas ao setor primário: Emater, cooperativas (de produção, eletrificação e de crédito), STR, Câmara de Vereadores, Colégio Teutônia, Amvat e Associação dos Secretários da Agricultura dos Municípios do Vale do Taquari (Asamvat)”, salientou o prefeito, completando que o cooperativismo é a solução para os problemas, principalmente na pequena propriedade.

Para 2019, o município de Westfália destinará quase 15% do seu orçamento para a agricultura. “Isso prova o valor que damos ao setor primário. Muito obrigado por investirem em Westfália e tão bem representarem a nossa agricultura”, pontuou Landmeier.

 

Em defesa da agricultura familiar

Iniciando sua fala, o secretário nacional da Agricultura Familiar e Cooperativismo do Governo Federal, Fernando Schwanke, salientou sua admiração e consideração pela região do Vale do Taquari. “Não só pela produção mas pela organização, que não é somente desta geração, mas especialmente daquelas que nos antecederam e que criaram todo este modelo importante de cooperação. A região sempre foi um grande exemplo para mim, pelo círculo de máquinas e pelo sistema cooperativo”, enalteceu o palestrante, frisando que o Vale do Taquari tem muito a ensinar para todo o Brasil.

Schwanke abordou temas relativos a gestão rural, diversificação de culturas, profissionalização do campo, entre outros relevantes assuntos. Tratou, também, da importância da agricultura familiar. “Sem agricultura familiar, o setor primário é como uma cidade sem micro e pequenas empresas”, observou. Ele ainda revelou sentir orgulho do que a atual geração e as gerações passadas fizeram pelo Brasil.

Otimista com o andamento do trabalho desenvolvido, o palestrante trouxe, ao 3º Encontro de Jovens Rurais de Westfália, notícias dos primeiros seis meses de governo. “O Selo Arte, por exemplo, permitirá a comercialização de produtos de agroindústrias familiares para fora dos municípios e Estado. Isso, sem dúvidas, irá alavancar as agroindústrias gaúchas e brasileiras”, divulgou. Ainda falou sobre o Pronaf, que teve um incremento de 37% no orçamento; sobre o Plano Safra, que, pela primeira vez na história, permitirá o financiamento de casas, reformas e construção na agricultura familiar, por meio do Pronaf Investimento; sobre o fechamento de acordo comercial com a União Europeia, abrindo um mercado de mais de 750 milhões de pessoas; entre outras iniciativas.

“O Brasil voltará a crescer e estamos trabalhando para conquistar o equilíbrio das contas públicas”, ponderou. Conforme ele, não é permitido gastar mais do que entra. “Isso quebra o País. O Governo Federal está empenhado para solucionar os problemas do Brasil”, completou ele, dizendo que é preciso de mais Brasil e menos Brasília.

Além de apresentar a estruturação da Secretaria da Agricultura Familiar e Cooperativismo, Schwanke ainda falou da importância de integrar as áreas do crédito rural, assistência técnica, meio ambiente e comercialização. “Estamos trabalhando para isso. Mas, preciso reforçar: o Sul do Brasil pode e deve ensinar muito para o restante do País”, enfatizou ele, complementando que a agricultura famílias não é só importante economicamente, mas socialmente também.

Por fim, o palestrante divulgou as premissas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). São elas: desburocratizar processos, permitir que as cadeias produzam, fomentar o acesso a mercados, aumentar as exportações de valor agregado, formar parcerias com a iniciativa, focar na geração de renda e incentivar o seguro rural.

Encerrada a palestra, ainda houve debate com a participação do secretário nacional, momento em que foram tratadas a conjuntura atual do setor primário e as necessidades do modelo produtivo de Westfália e região. Após, autoridades e lideranças da agricultura familiar, acompanhadas da comunidade presente, fizeram a entrega coletiva de um documento com as principais demandas do setor, buscando apoio, a nível federal, para a solução destas questões.

Conforme o secretário de Agricultura e Meio Ambiente, Vitor Cristiano Ahlert, o documento foi elaborado em conjunto pelos Conselhos da Agricultura de Westfália, Imigrante, Colinas e Teutônia, Ascar/Emater-RS, STR, cooperativas, Amvat e Asamvat. “Precisamos apresentar as nossas dificuldades, sugerir ideias e deixar nossos representantes cientes da nossa situação, na tentativa de que possam tentar reverter alguma questão ou então promover alguma ação em benefício da agricultura familiar nos quesitos apresentados”, apontou Ahlert.

Entre as demandas apresentadas no documento, estão: crédito fundiário, habitação rural, crédito rural, dificuldade nas cartas de aptidões para a agricultura familiar, entre outros.

 

Cases de sucesso

À tarde, cases de sucesso na agricultura foram apresentados aos produtores presentes. Tiago Michelon, de Vespasiano Corrêa, abordou a produção de leite: história da propriedade, alimentação dos plantéis, índices técnicos, manejo/produção, ordenha robotizada e ponto de equilíbrio/viabilidade.

Após, uma comitiva do município de Tupandi trouxe sua experiência no que diz respeito à produção de aves de corte. Além de representantes da Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente e da Ascar/Emater-RS, o momento ainda contou com relato de produtor tupandiense.

Por fim, o produtor Jacson Jacobs, de Teutônia, tratou da ambiência animal. Na oportunidade, foram abordadas as seguintes temáticas: aspectos conjunturais na bovinocultura de leite e suinocultura, índices técnicos e manejo.

A programação foi encerrada com debate sobre possíveis avanços e quais medidas tomar para melhorar a situação do jovem produtor rural. Ainda houve um momento final de avaliação do evento, analisando-se os pontos positivos e negativos.

 

Sucessão garantida na propriedade

Aos 17 anos de idade, Pablo Augusto Trapp, de Linha Paissandu, tem uma certeza: quer dar sequência ao trabalho desenvolvido pela família no campo. “Lá conseguimos ajudar um ao outro, dar ideias e pensar em conjunto em como melhorar a nossa propriedade. Temos, em família, uma boa relação no trabalho e é ali que quero permanecer”, enfatizou ele.

Com propriedade voltada ao setor leiteiro, Trapp revela que pretende aumentar a produção e ainda pensa em investir na avicultura ou na suinocultura. “Penso em investir para, no futuro, aumentar a nossa renda na propriedade”, completou.

Esta foi a primeira vez que Trapp participou do Encontro de Jovens Rurais. Conforme ele, a data é importante para a troca de experiências e conversações. “É importante pois é possível se situar em relação à situação em que se encontra nossa agricultura em nível municipal, estadual e nacional. É momento para se informar e planejar”, pontuou o jovem.

 

TEXTO E FOTOS: Paloma Driemeyer Valandro
Assessoria de Imprensa de Westfália