Educação Destaques Estrela

Integração entre educadores busca novos jeitos de viver a arte

Proposta busca valorizar os diferentes processos e meios de produção da arte e não apenas o produto final

Formação na Emei Paulo Freire foca diferentes meios e de valorização dos processos de criação no cotidiano das crianças na Educação Infantil

Será realizado, nesta terça-feira (17), o segundo encontro da formação “Arte e crianças contemporâneas: a vida invade o espaço escolar”. A iniciativa, oportunizada pela Escola Municipal de Educação Infantil (Emei) Paulo Freire, de Estrela, visa demonstrar a arte como importante ferramenta para sensibilização do cotidiano das crianças. Para tanto, busca valorizar os diferentes processos e meios de produção da arte e não apenas o produto final desta construção. A proposta, que conta com mais de 20 educadores das três redes de ensino de Estrela e Lajeado, terá ainda outros dois encontros na sua programação em outubro, dias 1º e 8, também no educandário do Bairro das Indústrias.

“Arte e crianças contemporâneas: a vida invade o espaço escolar” é o tema da formação

A formação é ministrada por Cayenne Rushel da Silveira, pedagoga formada pela UFRGS, especializada em Estudos Culturais pela Ulbra e atuante como professora nos anos iniciais e educação infantil da rede pública. “Tem como objetivo construir novos jeitos de fazer com que as crianças valorizem mais os processos de criação, e diferentes meios disto, tanto quanto os produtos finais”, explica ela. “Consequentemente poder colaborar na ampliação do repertório artístico e cultural dos profissionais da educação infantil”, detalha ela. No primeiro encontro Cayenne Ruschel da Silveira provocou os educadores a uma reflexão de como as crianças estão vivendo a arte nos contextos da educação infantil e oportunizou a utilização de recursos tecnológicos para a ampliação de repertórios. “Queremos viver infinitas possibilidades de produções e nesse trajeto valorizar as aprendizagens dos percursos e não apenas dos produtos finais”, diz. “Estudos como esses ressignificam práticas tão enraizadas na história da arte no contexto da Educação Infantil e desconstroem esteriótipos que a acompanham há muito tempo”, completa.

De acordo com a diretora da Paulo Freire, Michele dos Santos Pereira, a formação busca um olhar mais criterioso sobre a arte na Educação Infantil e dimensiona o olhar para as oportunidades dadas às crianças. “A formação objetiva uma discussão sobre a arte do nosso tempo para crianças de agora. Buscamos potencializar e imprimir no cotidiano delas a sensibilidade que a arte produz em suas infâncias”. Nas próximas trocas, outros temas paralelos serão refletidos. Inicialmente, o objetivo será oportunizar uma discussão em torno do papel do educador como mediador nesses processos de criação. “Perceber o desenho como forma de linguagem escrita e refletir sobre os jeitos de experimentar a arte com crianças de 0 a 3 anos”, explica Cayenne Ruschel da Silveira. Mais informações na Emei Paulo Freire pelo telefone 3190-1286.

 

 

Fotos: divulgação/Emei Paulo Freire
Texto: Rodrigo Angeli
Assessoria de Imprensa Prefeitura de Estrela