Coronavírus Educação Lajeado

Lajeado terá aulas quatro dias por semana a partir de novembro

Dois motivos levaram as direções e o governo a mudar. Primeiro o número reduzido de alunos que voltaram e também o fato de não terem sido registradas contaminações entre crianças e profissionais. Foto: Arquivo A Hora

Poucas crianças e nenhuma infecção dentro das escolas encorajam município a alterar sistema de atendimento dos alunos de 4 e 5 anos

Após mais de um mês da reabertura das escolas municipais de Educação Infantil, as equipes diretivas e o governo de Lajeado preparam mudanças para novembro. O modelo inicial dividia as crianças de 4 e 5 anos em duas turmas. Uma com atendimento nas terças e quartas e o outro grupo nas quintas e sextas.

A previsão da Secretaria Municipal de Educação era receber metade dos mais de 1,6 mil alunos. No entanto, o total de pais que assinaram o termo de retorno foi de 570 e nem mesmo esses chegaram a ser atendidos.

Pela contagem das escolas, a presença das crianças fica entre 200 a 210 por turma, com um total máximo de 420 crianças por semana. Na avaliação das equipes, o formato de duas aulas por semana tem dificultado a organização das famílias.

Nas reuniões semanais, diretores e Secretaria de Educação definiram que ao invés de aulas para duas turmas durante uma semana, cada grupo terá quatro dias corridos de atividades e depois o mesmo período de folga.
Esse novo modelo será posto em prática a partir do dia 3 de novembro. As aulas serão de terça até sexta-feira. Segunda será para sanitização dos ambientes. Quanto ao horário de atendimento nas escolas municipais, continua o mesmo, das 7h30min às 11h30min.

“Aguardávamos mais crianças neste primeiro mês de reabertura. Esperamos que com as mudanças, consigamos aumentar os atendimentos, dando mais condições para as famílias se organizarem”, afirma a secretária de Educação de Lajeado, Vera Plein.

As creches do município voltaram com atividades presenciais no dia 1º de outubro. Todas as instituições criaram um plano de contingência. As escolas devem cumprir protocolos sanitários, tais como o distanciamento mínimo entre alunos, limite de ocupação das salas e higienização constante.

Para controle e monitoramento nas creches, o governo municipal comprou máscaras, termômetros digitais, tapetes sanitizantes e álcool gel. Os professores também passaram por formações nas áreas pedagógicas, de protocolos sanitários e de saúde emocional.

 

Nenhuma criança contaminada

Conforme a secretária de Educação, não houve nenhum afastamento de aluno devido a suspeita ou confirmação por covid-19. Isso, diz Vera, encoraja a adoção dos novos modelos de atendimento.

“Essa decisão trabalhamos em conjunto com as equipes das escolas. Temos uma resposta positiva em termos da segurança em saúde. Conversamos muito, em cima das informações que coletamos ao longo desse primeiro mês e julgamos haver condições de garantir um melhor atendimento a partir de novembro”, afirma a secretária.

Com relação aos professores, foram mais de mil testes. Antes do retorno das aulas, 16% destes haviam testado positivo à doença. Segundo Vera, como o prazo de quarentena já passou, os educadores foram reintegrados às atividades.

Sobre os afastamentos, são 50 servidores acima dos 60 anos que estão fora do trabalho presencial e outros 35 devido à comorbidades.

Conforme a secretária Vera Plein, em três dias dessa semana, também foram testados os estagiários, monitores de ensino e equipes de serviços gerais das escolas. Os resultados serão conhecidos nos próximos dias.

 

FONTE: JORNAL A HORA