RSS Teutônia Geral

Languiru incentiva inclusão de jovens e de pessoas com deficiência

Duas turmas de aprendizes regulares e uma de aprendizes PcDs realizaram formatura (Foto: Leandro Augusto Hamester)
Duas turmas de aprendizes regulares e uma de aprendizes PcDs realizaram formatura (Foto: Leandro Augusto Hamester)

Objetivando ser um agente transformador da sociedade e oportunizando espaços de aprendizado e de inserção no mercado de trabalho, a Cooperativa Languiru, com a parceria do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo do Estado do Rio Grande do Sul (Sescoop/RS), do Colégio Teutônia e da Cooperativa de Trabalho Educacional (Coopeeb), desenvolvem o Programa Aprendiz Cooperativo. Trata-se de um programa amparado em lei e que visa a preparação, o desenvolvimento e a inserção dos jovens no mercado de trabalho em cooperativas.

No mês de agosto ocorreu a entrega de certificados de três turmas do programa. A solenidade de formatura foi realizada no Miniauditório do Colégio Teutônia e reuniu estudantes, professores, pais, familiares e representantes dos parceiros. Receberam seus certificados os jovens que concluíram os cursos de Processamento de Carnes e Auxiliar Administrativo, nas turmas regulares e específica para Pessoas com Deficiências (PcDs), todos cotizados pela Languiru

Oportunidades

Ao fazer uso da palavra, a gerente de Recursos Humanos da Languiru, Tânia Schardong, parabenizou a todos pela conquista. “A cooperativa sente-se honrada em poder participar deste momento, uma caminhada que oportuniza aprendizados na teoria da sala de aula e na prática do dia a dia no mercado de trabalho. Esses jovens chegam com uma bagagem extra de conhecimento, além da formação como pessoas, que levam para toda a vida, qualificando seus currículos. O mercado é cada vez mais exigente, onde os melhores e mais comprometidos alcançam o sucesso”, disse.

O presidente da Coopeeb, pastor Valdir Feller, falou de gratidão. “A formatura é um momento especial de valorizar a caminhada de todos que chegam até aqui, de agradecer a todos que auxiliaram neste processo de formação, de reafirmar o valor da família e de celebrar o crescimento pessoal. Cada um desses jovens deve olhar para frente e aproveitar as oportunidades, sabendo que a caminhada não encerra por aqui. Nunca percam a capacidade de ajudar e de serem ajudados pelo próximo”, frisou.

O diretor do Colégio Teutônia, Jonas Rückert, também enalteceu a valorização das famílias. “Essas pessoas são a base de tudo que, junto com o trabalho de educação, nos dão a esperança por um mundo melhor. Agradeçam por tudo de bom que vocês têm nas suas vidas”, afirmou.

Novas turmas

No final do mês de julho também tiveram início as atividades com as novas turmas de aprendizes regulares e para PcDs. Em evento realizado na Sede Administrativa da Languiru, a cooperativa recebeu estudantes e familiares para as boas-vindas. “A Languiru vem dando uma lição de responsabilidade social ao tratar como prioridade a inclusão de pessoas com algum tipo de deficiência, não apenas com relação às exigências legais, mas pela missão de ser um agente transformador. A cooperativa vem criando oportunidades para que também essas pessoas possam desenvolver seus talentos e habilidades”, destacou a auxiliar de Recursos Humanos da Languiru, Simone Weis.

No encontro os estudantes apresentaram-se ao grupo e foram detalhados os processos do Programa Aprendiz Cooperativo. A turma de PcDs participa do curso de Processamento de Carnes, com 552 horas teóricas e outras 552 horas de atividades práticas nas unidades da cooperativa, com duração de três semestres. As turmas regulares cursam Processamento de Carnes ou Auxiliar Administrativo, envolvendo jovens entre 14 e 24 anos de idade, matriculados em escola regular ou com o Ensino Médio concluído. A carga horária para ambos é de 1.104 horas, igualmente com a duração de um ano e meio.

Alegria contagiante

Jóice Jaqueline Koefender (15) contagiava a todos com a sua alegria na recepção aos estudantes da nova turma de PcDs do Aprendiz Cooperativo. Acompanhada da mãe Solange Koefender (40), ela era só sorrisos, querendo dividir essa felicidade com todos ao seu redor.

A família reside em Linha Morgenland, município de Teutônia, e Jóice sofre de uma doença chamada de fenilcetonúria, que entre outros sintomas, pode causar danos cerebrais, retardamento mental, síndromes comportamentais ou convulsões.

Ela frequentava a APAE de Teutônia desde os sete anos de idade e seu maior desejo é poder trabalhar como empacotadora no Supermercado Languiru ou na Loja Agrocenter Languiru. “Mesmo com a dificuldade de aprendizado para algumas coisas, eu sempre tive esta preocupação de que ela tivesse uma oportunidade diferenciada. Quando fiquei sabendo do Programa Aprendiz Cooperativo, logo me interessei e procurei me informar, indo atrás de uma vaga para ela. Tenho plena consciência das suas limitações, mas motivação não lhe falta. Quero muito que ela se dê bem num trabalho que ela goste”, comenta a mãe, que trabalha como confeiteira.

Bastante comunicativa, Jóice está ansiosa para iniciar o período prático, depois dos três primeiros meses de teoria em sala de aula no Colégio Teutônia. “Estou muito motivada. Vai ser muito bom poder aprender mais. No Supermercado vou poder conversar um pouco com as pessoas enquanto empacoto as compras e vou poder ajudar as pessoas quando elas precisam. Meu dia vai ser bem diferente e estou muito feliz”, diverte-se.

Após os primeiros três meses de teoria, iniciados em agosto, uma pesquisa de perfil deverá definir o setor e a área mais indicados para o aprendizado prático em uma das unidades da Cooperativa Languiru.

Texto: Ascom Languiru