Negócios RS

Levantamento do Sebrae RS mostra que 87% das empresas permanecem funcionando

A pesquisa revela, porém, que subiu de 7% para 10% o percentual das que sinalizaram fechamento definitivo

A mais recente Pesquisa de Monitoramento dos Pequenos Negócios na Crise, realizada pelo Sebrae RS entre os dias 01 a 14 de setembro, indica que 87% das empresas permanecem em atividade e que 13% ainda estão sem possibilidade de funcionar, especialmente por conta da natureza da atividade (predominantemente presencial) e de decretos governamentais que mantêm algumas atividades suspensas. Esse percentual se manteve estável. No entanto, o estudo revela que passou de 7% para 10% o índice de micro e pequenas empresas que indicaram o fechamento definitivo.

“Os últimos resultados da pesquisa indicam uma evolução da atividade econômica, tendência que nos anima, porém, há que se atentar para um aumento no percentual de pequenos negócios que pretendem encerrar suas atividades, razão pela qual devemos manter os esforços para a manutenção de políticas públicas de auxílio às micro e pequenas empresas para que que esse percentual não evolua”, afirma o diretor-superintendente do Sebrae RS, André Vanoni de Godoy.

Conforme o estudo, o faturamento começa a dar sinais de reação positiva. Das empresas pesquisadas, 17% sinalizaram aumento, cinco pontos percentuais acima do verificado em agosto (12%). Embora para 55% das empresas o faturamento ainda apresente redução em setembro, este é o menor percentual verificado pelo Sebrae RS desde o início da realização da pesquisa de monitoramento, o que pode ser atribuído à retomada gradual das atividades em razão da flexibilização das medidas restritivas.

A média de pessoas ocupadas nas empresas vem apresentando relativa estabilidade nos últimos meses (4 pessoas em julho, 5 em agosto e 4 em setembro) e a expectativa de manutenção dos negócios para os próximos 30 dias é citado por 42% dos entrevistados. Enquanto isso, 30% esperam expandir, índice superior aos 20% aferidos em agosto. “Constatar que o índice de empresas que pretendem expandir seus negócios aumenta a cada pesquisa realizada, renova a nossa disposição de seguir desenvolvendo e operando soluções que contribuem, efetivamente, com esse novo momento do empreendedor. É uma realidade desafiadora para todos nós, que está trazendo mudanças e oportunidades que precisam ser incorporadas no nosso dia a dia”, acrescenta André Godoy.

A melhora do cenário provocou redução na busca por crédito, passando de 48% em agosto para 42% em setembro. E houve aumento de 36% para 55% dos que, tendo procurado financiamento, conseguiram o recurso. O Pronampe, por exemplo, Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, teve 55,7 mil operações e liberou R$ 2,98 bilhões no RS até 16 de setembro. O Estado é o segundo em acordos assinados (São Paulo à frente) e o terceiro em volume de repasses (São Paulo e Minas Gerais à frente).

A Pesquisa de Monitoramento dos Pequenos Negócios na Crise ouviu 441 empreendedores. O nível de confiança é de 95%, e a margem de erro, de 4%.

Confira mais dados da pesquisa realizada pelo Sebrae RS:

Ocupação nas empresas nos últimos 30 dias

  • 45% diminuiu (51% diminuiu em agosto)
  • 43% manteve (42% manteve em agosto)
  • 12% aumentou (7% aumentou em agosto)

 

Média das pessoas ocupadas por setor

  • 3 pessoas no agronegócio
  • 6 pessoas na indústria
  • 4 pessoas no comércio
  • 4 pessoas no setor de serviços

 

Motivo de não estar funcionando

  • 24% Funciona somente presencial
  • 19% Decreto governamental/bandeira vermelha
  • 14% Remodelando o negócio
  • 10% Decidiu fechar a empresa definitivamente

 

Faturamento nos últimos 30 dias

  • 59% diminuiu
  • 28% manteve
  • 17% aumentou

Assessoria de Imprensa Sebrae RS