Meio Ambiente Lajeado

Menos poluente e 100% renovável

Biometano é alternativa para reduzir impacto da emissão de poluentes (Foto: Elise Bozzetto)
Biometano é alternativa para reduzir impacto da emissão de poluentes (Foto: Elise Bozzetto)

Em janeiro deste ano, conforme o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), 62.360 veículos fizeram parte da frota de Lajeado, dos quais 35.001 são automóveis. Conforme o último Censo, realizado em 2010, a população de Lajeado é de 71.345 habitantes.

O crescimento da frota, principalmente de veículos particulares, é um fenômeno que é percebido ao longo dos anos. O avanço dos números, conforme especialistas e autoridades, resulta do aumento da renda da população (especialmente da classe C), das reduções fiscais do governo federal e da facilidade de crédito promovidas pelos bancos.

“Essa grande quantidade de veículos com certeza influencia na poluição do centro da cidade. Se pudéssemos trocar a gasolina utilizada por biometano ou por outra energia renovável, como o etanol, os impactos vinculados às emissões diminuiriam consideravelmente”, afirma o professor Odorico Konrad.

Konrad é coordenador de um estudo realizado por acadêmicos e professores da Univates que busca, por meio de testes e análises, avaliar a similaridade entre o biometano (GNVerde) e o gás natural (GNV) aplicado em motores veiculares. Tanto o GNVerde como o GNV não poluem tanto quanto a gasolina. A diferença, porém, é que o GNVerde é renovável, tornando-se mais uma alternativa de biocombustível ao consumidor.

O projeto de pesquisa “Testes de desempenho, emissões e operação de biometano e GNV em motores convencionais” iniciou suas atividades em 2014. A Univates, em parceria com o Consórcio Verde-Brasil, e com o apoio da Companhia de Gás do Estado (Sulgás), teve papel importante para que a resolução do biometano fosse chancelada pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

De que forma?
Para criar a resolução do biometano, a ANP utilizou os dados coletados pelo projeto de pesquisa da Univates. Ou seja, a Instituição ofereceu suporte técnico e científico para que o chancelamento fosse feito. A Resolução estabelece a especificação do biometano de origem nacional que poderá ser comercializado no Brasil.

Conforme o professor Odorico Konrad, a pesquisa que compara o gás natural ao biometano como combustível veicular é única no Brasil. “O nosso objetivo é avaliar as emissões e comparar os dois combustíveis. Se fomos os primeiros a compará-los, também podemos ser os melhores nessa pesquisa. O nosso próximo passo é aproximarmos a pesquisa da Engenharia Mecânica”, conta.

*Link da Resolução: www.anp.gov.br/?dw=72846
Texto: Assessoria de Imprensa da Univates