RSS Destaques Geral Lajeado

Música, gastronomia e incentivo à inovação nas empresas marcam evento

Rômulo Tevah fez a palestra de encerramento focada no tema Tente o Incomum (Foto: Simone Rockenbach)
Rômulo Tevah fez a palestra de encerramento focada no tema Tente o Incomum (Foto: Simone Rockenbach)

Cerca de 800 pessoas participaram do Reload Sindilojas Festival nesta terça-feira (21), no Clube Tiro e Caça. O evento promovido pelo Sindilojas Vale do Taquari envolveu o público durante a tarde e a noite com seis workshops e uma palestra. E para dar o exemplo, o Reload não seguiu o formato tradicional das programações de capacitação. Show musical com banda ao vivo, orquestra de jovens, almofadas personalizadas no chão em complemento às cadeiras e refeição em food trucks foram algumas das experiências diferentes proporcionadas para servir de inspiração. “Acreditamos ter atingido nosso objetivo. Queríamos que ninguém saísse igual do Reload, que todos pudessem colocar algo em prática ou repensar melhorias para seus negócios a partir das ideias apresentadas pelos palestrantes”, destacou o presidente do Sindilojas, Giraldo Sandri.

Tente o Incomum

“Pensar fora da caixa é deixar de ser mais um”. Foi desta forma que Rômulo Tevah desafiou os participantes do Reload Sindilojas Festival a refletirem sobre a era da revolução e a necessidade de diferenciação para conquista de clientes e sucesso no varejo. Com uma dinâmica que envolveu a recapitulação dos temas debatidos durante os workshops da tarde, a palestra Tente o Incomum (tema do evento) alertou para a velocidade das mudanças e mostrou que agir com antecedência pode ser essencial. “Tentar o incomum não é difícil. É apenas fazer o que todo mundo devia estar fazendo, mas não faz”, explicou Tevah. Considerando o tema relevante e fundamental para a sobrevivência de muitas organizações, o palestrante garantiu: “Aqueles que tomarem a frente e fizerem, vão ser os incomuns, os pioneiros em ferramentas e atitudes que já deveriam estar acontecendo há muito tempo” .

Ao citar exemplos locais, que se aplicam à realidade de muitas empresas da região, ele buscou derrubar a visão de que fazer o incomum precisa ser algo completamente inusitado, que é caro e difícil. Com a intenção de provocar inquietações, mostrou a importância de se entender o momento e os padrões de comportamento, destacando que experiências de consumo podem e devem ser feitas com simplicidade e baixo custo. Mais do que se preocupar com o cliente, é fundamental que se pense nas pessoas que o atendem e no ambiente que o recebe. A valorização do colaborador e a criação de um espaço atrativo e aconchegante, aliado ao envolvimento com causas da comunidade, refletem no posicionamento das marcas e geram engajamento, relacionamento e, consequentemente, vendas. “A solução é buscar o incomum e se diferenciar dos demais usando de criatividade, planejamento, coleta de dados, e acima de tudo, das pessoas que fazem nosso varejo, para que as lojas possam realmente fazer a diferença para o seu cliente e para a comunidade onde estão inseridas”, ressaltou Tevah.

Arquitetura

Com 85 participantes, o workshop Design Além do Óbvio foi o que registrou maior público. O arquiteto Reinaldo Leão Forte defendeu o design de experiência e mostrou cases locais e de outros países onde as técnicas são aplicadas e dão certo. “Não se trata de algo fácil e rápido, pelo contrário, exige muito diálogo e planejamento”. Segundo Forte, a premissa está em conversar com todas as pessoas envolvidas, dos donos aos mais simples funcionários. O projeto ideal é aquele que, além de bonito, leva em conta todas as estratégias da empresa. “Cada vez mais, vemos que as organizações precisam estabelecer links experienciais com as pessoas”, enfatizou.

Varejo

Fabiano Zortéa, do Sebrae, trouxe para o workshop Tendências da NRF uma síntese de tudo que foi visto no principal evento para o varejo do mundo, compartilhando práticas e tendências que podem ser aplicadas em qualquer negócio. Segundo ele, o grande debate da feira deste ano foram questões relacionadas à interação de canais on-line e off-line e o uso do digital como aliado nas vendas; a personalização de informações, produtos e atendimento, para que as lojas conquistem o engajamento dos clientes; e a humanização das relações, obtida através da motivação dos vendedores que garantem a qualidade no atendimento. Zortéa ressaltou que a principal vantagem competitiva dos pequenos negócios é o relacionamento e aconselhou: “Tenha produtos ou formas de atender que ninguém mais tem”. O profissional ainda afirmou: “As empresas menores conseguem saber quais são as preferências pessoais e podem estabelecer uma relação mais humana para conquistar clientes”.

Recursos humanos

Para inspirar o público a criar um modelo próprio de seleção de funcionários, José Ronaldo Peyroton iniciou o workshop Eu Quero Você! focando seu discurso na questão do comportamento, em detrimento de características legais ou técnicas. O consultor explorou o case da empresa catarinense Meu Móvel de Madeira para exemplificar uma organização que elaborou um sistema de recrutamento a partir da análise e aplicação de valores assumidamente humanos. Agir com garra, crescer na crise, curtir o time que representa a família corporativa e superar os desafios impostos pelo mercado e pela vida foram citados como formas de explorar esses valores e aperfeiçoar a atuação de gestores e trabalhadores. Sobre a escolha de novos colaboradores, ele ressaltou que a contratação exige tempo e avaliações complexas, que vão além da análise de competências, mas avisou: “Na hora em que eu entendo que preciso demitir, esse processo tem que ser rápido”. E qual o melhor momento para falar de demissão com os funcionários? “Na hora da contratação”, assegurou.

Marketing

O workshop Abrindo a Cabeça do Consumidor foi dedicado aos profissionais da área de marketing, que puderam conferir Martin Haag, da City, falando sobre tendências de varejo e expressões de comportamento que impactam nas escolhas de consumo. De acordo com ele, novas formas de geração de valor estão remodelando a mente das pessoas e o projeto que elas têm de sociedade determina os produtos que vão comprar. Assim, é preciso entender o mundo metaforicamente e a análise de comportamento por tendências pode ser incompleto, visto que há outros movimentos agindo conjuntamente. “Estamos olhando para o nosso ambiente como sendo de componentes, diferente dos antigos processos mercantis com soluções prontas”, admitiu Haag. De acordo com ele, a vida em um universo de rede demanda diversidade e impõe novas formas de organizar a empresa e pensar os produtos: “Pessoas não compram mais mercadorias, mas sim a experiência que ela proporciona”, concluiu.

Gastronomia

Com uma plateia formada por atentos empresários, Diego Fabris apresentou o modelo de negócio do Destemperados, de Porto Alegre. Focada em proporcionar experiências gastronômicas inspiradoras aos consumidores, ele contou sobre a atuação da empresa que formou uma rede de pessoas comuns, que simplesmente gostam de comer e beber, e que espalham suas impressões através de canais de comunicação. O objetivo do Reload Sindilojas foi mostrar que a gastronomia pode ser uma aliada das empresas, no sentido de surpreender os consumidores, independente do segmento. “A gastronomia aproxima muito as pessoas. Talvez você não vá convidar o cliente só para conhecer um produto ou serviço, mas para se aproximar dele. Um bolinho com café, uma espumante ou cerveja tem seu valor”, salientou Fabris.

Sustentabilidade

A sustentabilidade também pode contribuir com os resultados de uma organização, sem que esse seja o propósito. O vice-presidente da Safeweb, Luiz Carlos Zancanella Junior, apresentou o case da Ecobarreira, o qual está em funcionamento no Arroio Dilúvio, que atravessa Porto Alegre. A empresa de certificação digital que nada tem a ver com meio ambiente criou o projeto que recolhe de 200 quilos diários de lixo flutuante e impede que esse volume de dejetos chegue ao Lago Guaíba. Só na construção da estrutura foram investidos R$ 250 mil. Junior afirma que a Safeweb abraçou a causa por acreditar na parcela de responsabilidade de fazer um mundo melhor hoje e para as futuras gerações. A recompensa, além do resultado prático, vem do reconhecimento da sociedade, refletido em prêmios, apoios e ampla repercussão da mídia. “O impacto da causa é muito maior do que nós poderíamos imaginar. Queríamos apenas fazer algo por um problema crônico da cidade. Mas a imprensa começou a dar destaque para o projeto e a marca começou a aparecer muito”.

O Reload Sindilojas Festival contou com o patrocínio de SafeWeb, Sicredi, Imojel e Corsan, com o apoio de Fecomércio Sesc/Senac, Sebrae e Prefeitura de Lajeado. Os workshops foram realizados com a parceria de Ambientar, Toyota, A Hora, Adoka Propaganda, Mug Viagens, Vovó faz Bolo, Sebrae, Brava Forma, CLA Design, Costaneira, Núcleo e RGR Contabilidade.

Texto: Ascom Sindilojas