Cultura RS RSS Mato Leitão

Nino Henz busca certificado musical nos Estados Unidos

Pelos próximos dois anos Henz vai cursar o Artist Certificate (Foto: Divulgação)

Natural de Mato Leitão, o músico André Luiz Henz, 44 anos, conhecido como Nino Henz deu início a uma importante etapa na carreira, na Califórnia, Estados Unidos. Pelos próximos dois anos, ele vai cursar o Artist Certificate (certificado de artista) como preparação para concurso e audições, que são feitas para contratar músicos em orquestras.

“Tenho planos de seguir carreira tocando em orquestras”, comentou o músico, filho de Ruy e Glacy. Irmão de Carlos e Jaqueline, Nino lembra que sua relação com a música teve início na infância. “Comecei a tocar violão com 6 anos e contrabaixo elétrico, aos 13, ingressando no conjunto gaúcho Os Queras, juntamente com meu pai. Aos 16 anos, resolvi pegar a estrada”, lembrou.

E foram várias as experiências musicais, começando na banda Os Geniais, de Lajeado, na década de 90. Com a Contato Direto fiz as primeiras apresentações fora do Estado. Em Araranguá (Santa Catarina) toquei na Banda Scorpios”, citou. Na lista estão ainda a banda Europa (Erechim) e Ego Mecanóide, de Caxias do Sul.

Em 2000, Nino Henz ingressou na banda Lucille Band. “Esse momento foi o divisor de águas da minha vida profissional. Em 2006, comecei a estudar contrabaixo acústico, tocando na Orquestra Municipal de Sopros de Caxias do Sul. No ano de 2010, deu início ao curso de bacharelado em contrabaixo na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs). Me formei em 2015”, disse.

Família

“Meu avô Alfredo Schuh (in memorian) tinha a música como uma das profissões que exerceu. Além de tocar flauta também formou o Coral da Família Schuh, onde todos os filhos cantavam (11 no total). Do lado da família do meu pai, meu avô (Mário, hoje com 95 anos), cantava em corais também. Meu pai toca acordeom desde criança”, cita. Nino Henz destaca a importância das origens. “Eu amo minha família, adoro o lugar (Mato Leitão) onde me criei. Quem sabe um dia eu possa voltar pra trocar experiências com quem tem interesse assim como eu com a música”, finalizou.

Texto: Ascom Mato Leitão