Artigos - Saúde e Bem-estar

O silência e a cura – por Eliana Giacobbo

Eliana Giacobbo (Foto: Divulgação)

“Se uma palavra que você está para pronunciar não é mais bela que o silêncio, não a diga”. Mestre Sufi. Uma frase tão simples, tão complexa e tão desafiadora de colocá-la em prática. Se todas as pessoas seguissem a risca esta frase o mundo seria muito mais tranquilo e poderíamos viver o que realmente a vida nos oferece de bom e que passa despercebido por muitos por não se dar conta ou simplesmente pelo hábito de ofender, revidar, falar o que vem a cabeça ou simplesmente pelo fato de “não conseguir ficar quieto”.

Mas também “engolir a fala” e ficar quieto não quer dizer que é uma atitude saudável, pois se eu não falar, mas sentir emoções ruins o estrago já está feito, principalmente em mim. Portanto é importante, além do silêncio, eu estar no controle das emoções sempre ou a maior parte do tempo, principalmente em situações de energias exaltadas, ou seja, o silêncio é importante para não gerar situações estressantes para outras pessoas e para mim desde que as emoções estejam sob controle.

E vamos pensar sobre o valor do silêncio também para ficar sozinho para simplesmente pensar, refletir e organizar os pensamentos como se esses fossem uma carga de melancias mal colocadas e precisam ser ajustadas na carroceria de um caminhão. Todos os dias somos bombardeados por tanta informação e precisamos parar, de vez em quando, para assimilar, para refletir e para organizar.

Vamos pensar: Quantas pessoas atualmente fazem isso? Quantas pessoas RESERVAM um tempo para si, para repor energias e para sentir ou buscar a paz interior? A palavra reservar foi destacada exatamente para chamar a atenção para o verdadeiro sentido da palavra, pois a pessoa que quer uma vida em equilíbrio necessita organizar o tempo para ficar sozinha consigo mesma. Esse momento que também pode ser chamado de ócio construtivo pode ser até motivo de críticas de outras pessoas ou autocrítica, pois como não há o costume de parar para “não fazer nada” é provável que surge uma vozinha dizendo: “Isso é perda de tempo”. Mas esse tempo reservado além de dar espaço para o pensamento criativo também pode ser utilizado para alimentar boas emoções as quais ajudam a curar, pois como diz Frei Patrício “O barulho adoece e o silêncio cura”. O silêncio cura quando aproveitamos o momento para relaxar, para regar boas emoções, para lembrar boas situações e simplesmente viver o “aqui e agora”.

Precisamos reservar um tempo para silenciar a mente e a alma, aquietar o diálogo interno cheio de “mas”, assim nosso DNA relaxa e nosso corpo fica mais saudável. Cientificamente está comprovado: o silêncio cura. Está ao alcance de todos, independe de outras pessoas, do sistema, do governo e é grátis, o que impede de aproveitar?

Eliana Giacobbo – Nutricionista Coach de Emagrecimento.