Cultura Eventos Destaques Muçum

Paixão de Cristo de Muçum pretende mostrar lado humano dos personagens

Tradicional espetáculo teatral apresentará novas cenas e a utilização de cotidiana para prender a atenção do público durante a encenação

A encenação da Paixão de Cristo em Muçum, que ocorre no dia 19 de abril, sexta-feira Santa, vai reconstituir o sofrimento da condenação, morte na cruz e ressurreição de Jesus em encenação épica que será marcada por novidades neste ano. O ato terá início às 20h no Morro da Igreja Matriz, onde templos, palácios e outros cenários serão montados para conduzir o público à história milenar que vai abordar episódios que antecederam todo o sofrimento do Messias até chegar às famosas passagens como a traição de Judas Iscariotes e a coroação com espinhos. Cerca de sete mil pessoas devem assistir ao espetáculo de arte e fé.

O roteiro escrito pelo muçunense Ranieri Moriggi, sob realização da Associação Muçunense de Artes e Prefeitura Municipal de Muçum, vai contar com inovações e maior apelo em passagens tradicionais. A dramatização focará mais os milagres de Cristo e deixará a cena em que Jesus se despede de Maria mais emocionante. No início, na passagem em que Cristo é tentado no deserto, a direção promete uma surpresa. “Estamos trabalhando para inserir na cena com a participação de Jesus e o demônio, algo voltado ao ilusionismo, mágica. A ideia é impactar e mostrar o quão ardiloso é o demônio nesse momento em que Jesus está fragilizado no deserto”, explica Moriggi. Ainda, segundo o diretor, outras passagens ao longo do espetáculo foram inseridas para que o público entenda os motivos que levaram à crucificação de Jesus. “Sabemos que Judas traiu por 30 moedas de prata. Mas para trair, ele tinha seus motivos. Não simplesmente por ganhar dinheiro. Judas se frustrou com as palavras de Cristo. E isso nós vamos mostrar no espetáculo”, aponta o diretor.

Outras cenas, como a prisão de Barrabás, a inserção de novos personagens, entre eles, a esposa do sumo-sacerdote Caifás e a filha de Pôncio Pilatos também integram essa nova encenação. “Em 2018, havíamos prometido uma mudança geral no roteiro. E assim fizemos. Foram cerca de seis meses de pesquisa e estudo. Cada novo personagem ou cena, tem a sua função bem definida dentro da Paixão de Cristo. Uma coisa vai ligar a outra. E é tão dinâmico o diálogo criado, que o espetáculo não vai permitir que o público se distraia”, afirma Moriggi.

Segundo o diretor, algumas cenas mudarão de ordem, entre elas, a morte de Judas. “Primeiro, para trazer mais emoção ao personagem, para que possa presenciar todo o suplício e a morte de seu mestre, tentando humanizar mais o Judas, para tentar tirar o estereótipo de traidor. De acordo com Moriggi, ainda algumas cenas poderão sofrer alterações até a finalização dos ensaios.

Para que o espetáculo mantenha o alto nível das interpretações, ensaios sem a utilização das gravações são realizados para que os atores possam ler o texto e interpretá-los, forma encontrada pela direção do elenco, para dar mais realismo. “Nos ensaios, as pessoas da comunidade se entregam em seus personagens. Nos últimos ensaios, as pessoas estão altamente emocionadas e empolgadas para dar o melhor de si na encenação”, afirma Moriggi.

Voz e canção
Um dos grandes destaques da encenação é a mudança de artistas nos personagens principais, além da reformulação do texto, o que deu uma nova imagem ao espetáculo. “O pessoal do grupo gostou bastante das mudanças apresentadas. A gente precisa inovar todos os anos. A história pode ser a mesma, mas é preciso inserir algo novo sempre. O povo nos cobra isso e a gente busca impressioná-los a cada ano, com novidades”, afirma Moriggi.

Outro destaque é a trilha sonora, que foi reformulada e pesquisada, a fim de sensibilizar ainda mais os espectadores. Foram cerca de dois meses de pesquisas até encontrar as músicas que serão executadas ao longo da apresentação.
A encenação da Paixão de Cristo já acontece no município há mais de três décadas. Porém, há 18 edições, o então grupo de jovens da Paróquia Nossa Senhora da Purificação, hoje Associação Muçunense de Artes (AMA), é quem organiza. É um acontecimento que nasceu com cunho religioso, mas hoje alcança outras características como atividade cultural, comercial, turística e oferece conhecimento e entretenimento às famílias.

Serviço
Paixão de Cristo de Muçum
19 de abril de 2019, 20h, Praça da Matriz.
Entrada Franca
A organização pede que as pessoas venham com cadeiras para melhor acomodação.

 

 

Assessoria de Imprensa de Muçum