Economia Destaques Westfália

Por seis anos consecutivos, Westfália é destaque em gestão fiscal

Índice da Firjan coloca o Município em 1º no Vale do Taquari, 6º no RS e 28º no Brasil

                                 Por mais um ano, Westfália escreve seu nome entre as cidades gaúchas de destaque no Índice Firjan de Gestão Fiscal (IFGF). O estudo, elaborado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), coloca o Município em 1º lugar no Vale do Taquari, em 6º lugar no Rio Grande do Sul e em 28º no Brasil.

Quatro indicadores compõem o índice: autonomia, gastos com pessoal, investimentos e liquidez. Westfália alcançou a nota de 0,9763, o que resulta numa gestão fiscal de excelência. Este é o sexto ano consecutivo que o Município está entre os dez melhores no ranking estadual.

Para o prefeito de Westfália, Joacir Antônio Docena, o sentimento por receber mais este importante reconhecimento e destaque é de alegria. “Alcançar estas colocações é sinônimo de muito trabalho e dedicação por parte de todos os gestores que estiveram à frente do Município desde a emancipação. Nos deixa muito felizes receber mais este reconhecimento”, considera.

Docena ainda observa que há uma responsabilidade muito grande: a de sempre manter a gestão fiscal em alto nível. “O bom desempenho também pode ser atribuído à seriedade com que as administrações municipais sempre trataram os gastos públicos, atentando para não inchar a máquina pública. Seguiremos neste caminho, trabalhando para que Westfália siga sendo destaque e referência”, salienta o chefe do Executivo westfaliano.

O prefeito destaca, também, a necessidade de investir em setores onde o retorno é certo, como, por exemplo, a agricultura. “O setor primário segue bem e forte, sendo um dos pilares que sustenta a economia westfaliana. Assim, todo o Município ganha e seguiremos atingindo bons índices em avaliações diversas”, pontua, parabenizando a todos gestores que contribuíram para que Westfália alcançasse mais este importante reconhecimento.

Saiba mais sobre os indicadores avaliados

Autonomia: analisa a relação entre as receitas oriundas da atividade econômica do Município e os custos para financiar sua existência;

Gastos com pessoal: mostra quanto os municípios gastam com pagamento de pessoal em relação ao total da Receita Corrente Líquida;

Investimentos: mede a parcela da receita total dos municípios destinada aos investimentos, aqueles que geram bem-estar à população e melhoram o ambiente de negócios;

Liquidez: verifica a relação entre o total de restos a pagar acumulados no ano e os recursos em caixa disponíveis para cobri-los no ano seguinte.