Segurança RS RSS Estrela

Primeiros dias do videomonitoramento trazem positivas avaliações

As câmeras estão em diversos locais do município, como nas principais entradas e saídas da cidade (Foto: Frederico Sehn/Prefeitura de Estrela)

O sistema de videomonitoramento de Estrela, inaugurado ao fim de julho, fechou agosto como o primeiro mês completo em operação. Com 24 câmeras de alta definição e com a central de imagens e sala de controles instalada na sede do 40º Batalhão de Polícia Militar, as primeiras avaliações das polícias civil e militar justificam o investimento anual de R$ 300 mil realizados pelo Governo de Estrela no sistema, através da Secretaria Municipal de Planejamento de Desenvolvimento Econômico (Seplade). Não há relatórios divulgados ainda, mas o sistema já foi utilizado centenas de vezes, em alguns casos sendo de total importância para operações e investigações, como na identificação de suspeitos a assaltos e também em perseguições. Também muito utilizado na elucidação de acidentes de trânsito, cujo atendimento quando na área municipal é de responsabilidade da Brigada Militar, como ainda em caráter preventivo e educativo.

Para o comandante do 40º Batalhão de Polícia Militar, sediado em Estrela, major Marcelo de Abreu Fernandes, o sistema já comprova ser uma ferramenta extremamente útil. “Hoje a segurança necessita do avanço tecnológico para melhor desempenhar o seu papel, seja ele preventivo, repressivo e investigativo, este ao lado da Polícia Civil. Neste período a gente pode notar sim, não sei se associada diretamente ao videomonitoramento, mas acreditamos que também sim, uma redução de ocorrências de roubos e furtos em locais comerciais”, diz. “Também nos casos de roubo a pedestres, o que até ocorria com bastante frequência perto do Hospital Estrela, próximo ao Parque Princesa do Vale e outros locais como colégios. Claro que ocorreram algumas prisões de autores neste sentido, e isso colabora, mas nas regiões cobertas pelas câmeras a gente percebeu uma queda bem significativa destes fatos, inclusive de roubo de veículos”, revela. “O videomonitoramento tem colaborado ainda nas prisões de traficantes, no combate ao consumo de drogas, na abordagem a pessoas que de madrugada são flagradas transportando objetos que, com certeza, são frutos de furtos, como cabos telefônicos, de luz, materiais de construção, ou mesmo em movimentação suspeita”, explica. “E não poderíamos deixar de citar as muitas infrações de trânsito, principalmente em áreas centrais da cidade, onde as câmeras nos ajudaram a identificar os culpados, em casos de estacionamento em locais proibidos, em questões como carga e descarga irregular, o não respeito às faixas de segurança e outros pontos.”

O delegado José Romaci Reis atesta. “Por minha ótica e de nossos colegas percebemos que diminuíram sim os assaltos, e acreditamos que parte disto se deve a este receio de se estar sendo vigiado. As imagens já nos ajudaram na elucidação de alguns casos, estão sendo utilizados em outros inquéritos e investigações, como no caso dos recentes roubos nos cemitérios”, revela ele, ao lembrar que as imagens foram utilizadas inclusive para comprovar o autor do roubo de uma das próprias câmeras de vigilância. “Já se trata de um significativo avanço.” Para o secretário Paulo Ricardo Finck, o balanço inicial mostra a validade do investimento e acredita que assim seguirá pelos próximos meses. “O videomonitoramento já trouxe vários avanços. Permitiu maior agilidade à Brigada Militar no atendimento das ocorrências. Ajudou a Polícia Civil na elucidação de muitos casos. E há a paralela facilidade na troca de informações entre estas corporações. Temos a convicção de que, por exemplo, números de simples vandalismos, que sempre trazem prejuízos, podem mais facilmente serem coibidos e assim, diminuírem”, diz. “Não esperávamos algo diferente quando resolvemos investir nisto. Havia uma convicção muito forte que os resultados seriam bons, e logo começariam a aparecer. E serão depois todos comprovados também pelo próprio cotidiano de nossa população, bem mais tranquilo neste sentido. O importante é seguirmos investindo”, atesta.

Texto: Ascom Estrela