Meio Ambiente RS RSS Destaques Lajeado

Programa de recuperação e revitalização do Arroio do Engenho é lançado

Mapeamento do arroio e coleta de dados é a primeira etapa do programa (Foto: Pietra Darde)

A Prefeitura de Lajeado, por meio da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Sema), lançou na manhã desta quinta-feira (16/08) o Nosso Engenho – Programa de Recuperação e Revitalização da Bacia do Arroio do Engenho.

Em encontro realizado na sede da secretaria, autoridades, entidades e comunidade receberam informações sobre o Programa que tem o objetivo de melhorar a qualidade da água do Arroio do Engenho, reduzindo os índices de poluição e resultando em uma contribuição positiva para o Rio Taquari.

O trabalho iniciou com a determinação da bacia de contribuição do arroio do engenho e seus afluente. Após, foi realizado levantamento detalhado onde a equipe técnica da SEMA percorreu grande parte da extensão do arroio, que tem cerca de 8 quilômetros, nascendo no bairro Centenário e desaguando no Rio Taquari, na área central do município.

Nesta avaliação, a equipe identificou fontes de poluição do arroio, originárias tanto de empresas quanto de esgoto doméstico.

Agora, começará uma importante etapa de educação ambiental e coleta de dados onde integrantes do Programa farão visitas às residências e empresas localizadas próximo ao curso da água para explicar o Programa, esclarecer dúvidas a respeito do tema e registrar o tipo de tratamento executado nos efluentes de cada propriedade.

Além disso, serão ressaltadas as obrigações de cada munícipe. As empresas, que geralmente possuem licenciamento ambiental, devem manter seus sistemas de tratamento nos moldes em que foram licenciados, garantindo a qualidade do efluente descartado. E, as residências, devem ter um sistema de tratamento de esgoto doméstico composto por no mínimo: fossa séptica, filtro e clorador ou sumidouro, de acordo com a legislação vigente. As fossas devem ser limpas a cada dois anos por empresas licenciadas para este serviço, o que garante o destino adequado ao resíduo.

“O poder público deve fazer a sua parte no que tange à preservação ambiental. Mas, não temos como agir sozinhos. A sociedade precisa fazer a sua parte, e ter uma fossa séptica em condições adequadas, sendo limpa a cada dois anos, é necessário para mantermos a saúde dos nossos cursos de água. Seguimos atuando em outras frentes de despoluição, e também estamos construindo uma proposta junto à Corsan, mas em áreas consolidadas e com muitas residências como o bairro Americano, a limpeza das fossas é um caminho rápido para reduzir a poluição do arroio”, avalia o secretário do Meio Ambiente, Luís Benoitt.

Para a execução do Programa, a Sema conta com a participação e parceria do Ministério Público, que investirá recursos provenientes de Termos de Ajustamento de Conduta nas ações do Programa, além de contribuir com a formulação das formas de abordagem, e da Univates, que por meio de convênio disponibiliza equipe mista composta por estagiários, professores e pesquisadores para o desenvolvimento das atividades.

A preocupação com o Arroio do Engenho e sua escolha para ser a primeira bacia a receber o Programa de despoluição deve-se a diversos fatores: o arroio tem valor histórico para o município; o arroio passa por dentro de um parque; grande parte dele, especialmente na área central, passa por áreas de grande concentração populacional, o que favorece o aumento dos índices de contaminação em razão do esgoto sem tratamento.

Além das visitas domiciliares para orientação das pessoas, haverá monitoramento da qualidade da água em cinco pontos do município. Estas coletas servirão para acompanhar a redução dos níveis de contaminação da água ao longo do tempo. Outro instrumento para redução da poluição é a instalação de ilhas de descontaminação, que são plantas especiais colocadas sobre material flutuante dentro de lagoas e arroios para que contribuam com a redução dos materiais contaminantes.

“Queremos revitalizar o nosso Arroio do Engenho e devolver a vida a este córrego para que volte a ser motivo de orgulho e um marco do equilíbrio ambiental na nossa Lajeado. Acreditamos muito neste projeto e queremos ampliá-lo para outros arroios da nossa cidade. Estamos confiantes de que com este projeto o município estará progredindo na busca de melhorias na área ambiental trazendo qualidade de vida às futuras gerações”, disse o prefeito Marcelo Caumo.

Etapas do programa:

1. Mapeamento do arroio e coleta de dados
2. Monitoramento inicial da qualidade da água
3. Diagnóstico da situação atual da bacia do Arroio do Engenho
4. Lançamento do Programa e instalação das placas nos 5 pontos de monitoramento
5. Início das visitas domiciliares para avaliação dos sistemas de tratamento de esgoto doméstico (levantamento sócio-econômico-ambiental)
6. Início dos monitoramentos semanais de qualidade da água do arroio
7. Eventos de conscientização dos moradores
8. Instalação de pontos de subtração de poluentes
9. Emissão de relatórios mensais com resultados das análises de monitoramento e das medidas implementadas
10. Implementação dos parques lineares

Pontos de coleta de água no Arroio do Engenho para monitoramento:

Ponto 1 – Bairro Centenário

Ponto 2 – Bairro Olarias

Ponto 3 – Bairro Florestal

Ponto 4 – Bairro Americano

Ponto 5 – Bairro Centro

Texto: Ascom Lajeado