Artigos - Desenvolvimento Rural

“Qualidade nutricional de alimentos produzidos nos sistemas de produção orgânico, hidropônico e convencional” – por Tatiane Turatti Orlandini

Tatiane Turatti Orlandini (Foto: Divulgação)
Tatiane Turatti Orlandini (Foto: Divulgação)

Nos últimos anos, além de alimentos vegetais oriundos da agricultura convencional, alimentos da agricultura orgânica e hidropônica estão à disposição dos consumidores nos supermercados e feiras. No entanto, a não ser pelas diferenças práticas entre os três tipos de cultivo, o consumidor não possui dados indicativos sobre a qualidade nutricional desses vegetais e hortaliças.

Em culturas convencionais os vegetais crescem no solo com aporte adequado de nutrientes e água. Para uma melhor produção, fertilizantes são frequentemente utilizados (1).

A produção orgânica adota práticas de rotação de cultura, aproveitamento de resíduos orgânicos e controle biológico, eliminando a utilização de fertilizantes químicos. Esta técnica de cultivo apresenta uma grande vantagem comparada ao sistema convencional devido ao seu impacto benéfico ao meio ambiente (1).

Já a hidroponia consiste na condução de culturas sem utilização de solo, que é substituído por água, a qual carrega os nutrientes essenciais ao desenvolvimento da cultura (solução nutritiva).

Mas afinal qual a diferença nutricional entre os alimentos orgânicos, hidropônicos e convencionais?
No Vale do Taquari foi realizada uma pesquisa que teve como objetivo avaliar a qualidade nutricional de alfaces produzidas nos sistemas de produção orgânico, convencional e hidropônico, através da determinação dos teores de nitrato, de compostos fenólicos totais e atividade antioxidante (2).

As hortaliças cultivadas nos diferentes sistemas de cultivo apresentaram compostos fenólicos e ação antioxidante, no entanto a alface produzida no sistema orgânico mostrou-se levemente superior por ter apresentado maior quantidade desses compostos e inclusive com diferença estatisticamente significativa.

Em relação aos teores de nitrato, apesar da alface cultivada em sistema orgânico ter apresentado o maior teor de nitrato em comparação a alfaces produzidas nos cultivos convencional e hidropônico, este não foi superior ao estabelecido pela legislação Européia, considerando-se de boa qualidade as alfaces produzidas nos diferentes sistemas de cultivo analisados (3).

Considerando-se o conjunto dos resultados e a limitação das amostras podemos concluir que a alface produzida no sistema orgânico apresentou qualidade nutricional superior em relação às alfaces produzidas nos sistemas convencional e hidropônico, no entanto mais estudos e com um maior número de amostras se mostram necessários e urgentes.

A indisponibilidade de informações científicas capazes de determinar diferenças significativas na qualidade nutricional de alfaces produzidas nos diferentes sistemas de cultivo dificulta a tomada de decisões, tanto de ingestão por parte de consumidores, quanto de indicação por parte de profissionais. Em virtude disso, estudos que avaliem e comparem a qualidade nutricional de alimentos cultivados sob os sistemas convencional, orgânico e hidropônico são de grande importância para a garantia da segurança alimentar e nutricional da população.

De acordo com o Guia Alimentar para a População Brasileira (4), a segurança alimentar e nutricional pressupõe o acesso a informações confiáveis sobre características e determinantes da alimentação adequada e saudável o que contribui para que pessoas, famílias e comunidades ampliem a autonomia para fazer escolhas alimentares e para que exijam o cumprimento do direito humano à alimentação adequada e saudável.

1 – GUADAGNIN, S. G.; RATH, S.; REYES, F. G. R. Evaluation of the nitrate content in leaf vegetables produced through different agricultural systems. Food Additives and Contaminants, London, v. 22, n. 12, p. 1203-1208. 2005.
2 – Orlandini, Turatti Tatiane. Monografia apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Especialista em Gestão da Qualidade no Processamento de Alimentos da Universidade do Estado do Rio Grande do Sul. Autor Orientadora: Profa. Dra. Elaine Biondo. Co-orientador: Prof. Dr. Voltaire Sant’ Anna
3 – BOINK, A.; SPEIJERS, G. Health effect of nitrates and nitrites, a review. Acta Horticultura, n. 563, p. 29-36, 2001.
4 – BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população Brasileira. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2014.

Tatiane Turatti Orlandini
Extensionista Social – Nutricionista
Escritório Municipal da Emater/RS – ASCAR Encantado