Saúde RS Destaques

Reunião sobre repasses a hospitais reúne representantes de mais de 60 municípios

Após a quitação da folha salarial, prioidade será o pagamento de parcela de incentivos em atraso a hospitais filantrópicos (Foto: Leandro Osório/Especial Palácio Piratini)
Após a quitação da folha salarial, prioridade será o pagamento de parcela de incentivos em atraso a hospitais filantrópicos (Foto: Leandro Osório/Especial Palácio Piratini)

Em reunião no Palácio Piratini, nesta quinta-feira (2), os secretários da Casa Civil, Márcio Biolchi, e da Saúde, João Gabbardo dos Reis, receberam prefeitos e lideranças ligadas à gestão da saúde em cidades do norte do Rio Grande do Sul. Juntas, a Associação dos Municípios da Zona de Produção (Amzop) e a Associação dos Municípios da Região Celeiro (Amuceleiro) representam mais de 60 municípios gaúchos.

No encontro que tratou, entre outros assuntos, de repasses aos municípios e hospitais filantrópicos, os secretários explicaram que tão logo seja quitada a folha do funcionalismo, com previsão até 13 de junho, o Tesouro deve incluir entre as prioridades o pagamento uma parcela de incentivos em atraso. O governo também reforçou o compromisso de manter em dia o a produção de serviços dos hospitais e repassar os valores assim que sejam recebidos os recursos federais. No mês passado, foram pagos R$ 140 milhões para a produção dessas instituições, colocando em dia o repasse.

“O governo tem feito um grande esforço para a manutenção dos serviços, mas nem tudo o que gostaríamos temos condições de concretizar. Por isso, é preciso honestidade com todos os prefeitos e representantes das comunidades aqui reunidos”, disse Biolchi.

Dívidas com municípios
Outro encaminhamento da reunião – que contou também com a presença do secretário Ernani Polo, da Agricultura, Pecuária e Irrigação, do deputado Edson Brum e representantes dos deputados Gilmar Sossesla, Ciro Simoni e Silvana Covatti – foi relativa à definição do pagamento da dívida com os municípios. Ficou acertado que a Secretaria da Saúde e a Famurs decidirão, em conjunto, os programas a serem quitados no pagamento mensal da dívida.

“Precisamos de uma articulação para garantir todos os recursos à disposição da saúde, buscando aprimorar a gestão e encaminhar projetos federais que possam beneficiar o estado. A crise é de todos”, disse Gabbardo. A articulação com a bancada federal gaúcha e ministérios também foi apontada como medida importante.

Os presidentes da Amzop, Nilson dal Cortivo, e da Amuceleiro, João Carlos Hickmann, entregaram manifestos em defesa dos hospitais da região. O prefeito de São Jerônimo, Marcelo Schreinert, também falou em nome da Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul, na condição de vice-presidente da Famurs. Já a presidente do Hospital Santo Antônio, de Tenente Portela, Mirna Therezinha Kinsel Braucks, trouxe o relato das dificuldades enfrentadas pelas entidades.

Texto: Ascom Estado