Artigos - Educação

“Sempre é tempo de aprender” – por Natanael Zanatta

Natanael Zanatta (Foto: Divulgação)
Natanael Zanatta (Foto: Divulgação)

Já dizia, há muito tempo, o cientista Albert Einstein que “a mente que se abre para uma nova ideia jamais voltará ao seu tamanho original”. E temos de concordar com este pensamento e utilizá-lo como motivação para perseguir o conhecimento em todo o tempo e todo o lugar.

Aprender não se trata, tão somente, de decorar uma série infinita de dados e informações sobre as mais diversas áreas. Aprender é crescer; é amadurecer emocionalmente; é permitir que a própria vida possa se perpetuar; é a garantia da perpetuação da sociedade que, mais evoluída, tem a possibilidade de multiplicar o bem e reduzir o mal.

A idade avançada não pode servir de desculpa ao aprendizado. Os meios de notícia trazem exemplos diversos a respeito de pessoas que, a despeito de seu avançado tempo de vida, se propuseram a dar novas amplitudes à mente e a alma. Em 2009 a imprensa nacional noticiava o feito do Sr. Edson Gambuggi, que aos 82 anos de idade se formou em medicina. Em 2013, a Sra. Tetê Brandolim virou notícia ao aprender a ler e escrever aos 82 anos de idade. Estes dois exemplos são provas de que o aprendizado, muitas vezes, é a realização de sonhos há muito tempo esquecidos e escondidos, mas que podem trazer alegrias estupendas a quem se nega a abandonar estes sonhos.

Além do tempo, todo lugar é espaço para aprendizado. Pode ser na maternidade, ou quem sabe em um velório. Por mais antagônico que seja, tanto do nascer da vida quando no apagar da morte, a mente que viaja e a alma sedenta encontram lições importantíssimas. Na maternidade, se cresce ao ver que a vida se renova na esperança de dias melhores, que novas possibilidades e novas chances sempre estarão presentes; em um velório, apenas as memórias e os feitos mantém as lembranças vivas, mas trazem lições de vidas que valeram a pena, que foram úteis, que enxugaram lágrimas e que fizeram sorrir.

Que estudemos muito! Os grandes clássicos, as revistas da cultura pop, os grandes pensadores ou mesmo simples poetas; que estudemos os grandes líderes, e também os desconhecidos transeuntes que cruzam conosco em uma via qualquer, quiçá apenas uma vez na vida toda. Estudemos a nós mesmos. Que possamos permitir, em ato de amor à humanidade, que nossa mente não volte ao tamanho original, que as ideias adquiridas e os sonhos realizados sejam a prova da nossa eternidade.

Natanael Zanatta é Advogado Trabalhista, palestrante e professor da Lume Centro de Educação Profissional.