Coronavírus Vale do Rio Pardo

Última etapa de pesquisa com testes rápidos no Vale do Rio Pardo inicia nesta sexta-feira

Quarta fase começará por Santa Cruz do Sul e seguirá no fim de semana também nos outros 13 municípios consorciados ao Cisvale

Iniciada em 1º de agosto, a pesquisa que visa mensurar a soroprevalência de Sars-CoV-2 (vírus causador da Covid-19) na região será encerrada neste final de semana. Encomendado pelo Consórcio Intermunicipal de Serviços do Vale do Rio Pardo (Cisvale), em parceria com a Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc), o estudo vem sendo desenvolvido a partir de etapas, com a aplicação de 1.063 testes rápidos em cada fase, divididos entre os 14 municípios que integram o Consórcio – Boqueirão do Leão, Candelária, Gramado Xavier, Herveiras, Mato Leitão, Pantano Grande, Passo do Sobrado, Rio Pardo, Santa Cruz do Sul, Sinimbu, Vale do Sol, Vale Verde, Venâncio Aires e Vera Cruz.

A quarta e última etapa da pesquisa inicia já nesta sexta-feira, 2, em Santa Cruz do Sul, seguindo também nas demais cidades ao longo do sábado e domingo, 3 e 4. “Chegamos a um importante momento nessa nossa última etapa. Dessa forma, fechamos esse conjunto de dados que nos fornecerá uma ideia de como a Covid-19 está se comportando na região. Contamos com a parceria de todos novamente para finalizarmos a pesquisa, pois fizemos a diferença para a população da região”, comentou o coordenador da atividade, o professor e médico infectologista Marcelo Carneiro.

Vantagem epidemiológica

Este é o retorno das atividades após um período de cinco semanas – a última amostra foi coletada em 29 e 30 de agosto. “Podemos considerar esse espaço entre a terceira e quarta etapa como uma vantagem epidemiológica, pois conseguiremos avaliar a produção dos anticorpos do tipo IgG, que já demonstra que as pessoas entraram em contato, se curaram e estão livres da doença, além da situação regional durante a pandemia”, explicou o médico infectologista Marcelo Carneiro.

”Exemplo de união pela comunidade”

Para o presidente do Cisvale, Cássio Nunes Soares, a pesquisa de soroprevalência própria no Vale do Rio Pardo é um exemplo para o Estado da união do poder público, universidade e iniciativa privada pelo bem da comunidade.

“Os dados das três etapas da pesquisa foram fundamentais para embasar tecnicamente os recursos da região contra a bandeira vermelha e também para o plano de cogestão, e serão importantes para os enfrentamentos que teremos pela frente. E isto só foi possível pois setores da comunidade decidiram fazer a diferença nesta pandemia”, afirmou o também prefeito de Pantano Grande.

No total, o estudo irá aplicar 4.252 testes na população regional. A pesquisa Covid-VRP conta com o apoio da Associação dos Municípios do Vale do Rio Pardo (Amvarp) e da Philip Morris Brasil. Mais informações sobre o trabalho podem ser obtidas pelo site geosaudevrp.org.


Tiago André Rech
Assessor de Imprensa – Cisvale