RSS Geral Lajeado

Um recomeço para vítimas da violência

Atendimento às mulheres vítimas de violência acontece todas as terças, no Sajur (Foto: Elise Bozzetto)
Atendimento às mulheres vítimas de violência acontece todas as terças, no Sajur (Foto: Elise Bozzetto)

A Lei Maria da Penha prevê o atendimento integral às mulheres em situação de violência. Mas tirar a legislação do papel ainda é um desafio que precisa ser superado. As vítimas acabam percorrendo um caminho fragmentado e cheio de dificuldades em busca da justiça, deparando-se com problemas de transporte, repetição de relatos e violência institucional, sendo atendidas muitas vezes por profissionais pouco sensibilizados que reproduzem as discriminações contra a mulher nos serviços de atendimento.

O caminho para sair da situação de violência é árduo e o apoio é fundamental. O Serviço de Assistência Jurídica da Univates (Sajur) faz a defesa gratuita de vítimas de violência pela Lei Maria da Penha. Sensibilizados com as dificuldades enfrentadas pelas mulheres, que em muito transcendem a questão legal, os profissionais do Sajur desenvolveram em parceria com o curso de Psicologia da Univates um projeto para acolher, apoiar e dar suporte às mulheres na continuidade de sua luta pela liberdade.

O Projeto Recomeçar, assim batizado pelo grupo de mulheres que dele participa, foi criado em 2014, por meio do projeto de extensão “Ações de Suporte à Lei Maria da Penha”. Vinculado ao Sajur, o projeto é realizado pelas disciplinas de estágio do curso de Psicologia da Univates. Todas as semanas, um grupo de estagiárias faz a mediação do encontro de mulheres em situação de violência doméstica. Até hoje, cerca de 80 mulheres já contaram suas histórias, apoiaram-se e encontraram no grupo um recomeço para suas vidas.

As estudantes Geni Inês Antoniazzi e Ana Maria Kist, ambas do 8º semestre do curso de Psicologia, admiram a autonomia que o grupo desenvolveu. “Foi de fato um recomeço para essas mulheres. Elas viraram grandes protagonistas. Hoje no grupo elas sabem discernir quando uma precisa falar mais que a outra, a rede de apoio que se formou foi fundamental e de grande crescimento para todas”, comenta Geni. O grupo também formou diversas militantes pelo fim da violência. “Muitas mulheres que conseguiram sair da violência hoje são porta-vozes da busca pela justiça. Ministram palestras, participam de entidades, dão suporte às novas ingressantes quanto aos caminhos a serem percorridos, serviços que funcionam e os que não funcionam também”, relata Ana.

Mas o começo, como qualquer começo, foi dolorido. “No início há resistência, medo, vergonha da fala. Em contrapartida, os vínculos que vão sendo estabelecidos no grupo, a confiança, tornam essas mulheres uma verdadeira rede de apoio”, enfatiza Geni. “Elas aprendem a se respeitar e a respeitar a trajetória de cada uma, o que fortalece e enriquece o grupo, gerando autonomia. Esse estágio me mostrou como é importante escutar e ter respeito pela história de cada um”, revela Ana.

Para as estudantes, não há uma solução pronta e a intervenção que o curso faz é mínima. Há, sim, uma mediação, uma escuta, um espaço para que o apoio parta do próprio grupo. “Não há uma solução pronta, é construída com elas uma ressignificação das experiências de cada uma”, finaliza Geni.

O grupo reúne-se todas as terças-feiras, das 14h30min às 15h30min, nos períodos de março a junho e de agosto a dezembro. Os encontros são realizados na sede do Sajur, em Lajeado (avenida Benjamin Constant, 2718, bairro Florestal). Pode participar a comunidade atendida pelo Sajur e pela rede de serviços. As mulheres acolhidas podem levar seus filhos, pois o Sajur conta com um espaço lúdico para as crianças.

Como você pode ajudar: as mulheres que passam por situações de violência e participam do grupo recebem atestados de participação para validarem em suas empresas. O atendimento é feito somente durante o dia, período no qual a maioria das mulheres participantes trabalha. Incentive as empresas a aceitarem o atestado para validar essa uma hora de encontro.

Mais informações podem ser obtidas de terça a quinta-feira, das 8h às 12h e das 13h30min às 17h30min, pelo telefone (51) 3714-7038 ou pelo e-mail sajur@univates.br.

Texto: Ascom Univates