Política Região RS Destaques

Vice-presidente representa região em evento de contabilidade eleitoral em Brasília

Dirigente do Sincovat, Rodrigo Kich também é membro da Comissão Eleitoral do Conselho Federal de Contabilidade (Foto: Divulgação)

Com a proximidade das eleições, o Conselho Federal de Contabilidade (CFC) prepara a capacitação dos profissionais contábeis que auxiliarão na prestação de contas de candidatos e partidos. Entre as atividades propostas está o Seminário sobre Financiamento de Campanha e Prestação de Contas Eleitorais, agendado para o dia 20 de junho, em Brasília. O Sincovat e a região estarão presentes no evento por meio do vice-presidente do sindicato e coordenador da Comissão de Estudos das Organizações Contábeis do CRCRS, contador Rodrigo Kich.

O profissional estrelense é membro da Comissão Eleitoral do Conselho e participa da organização do Seminário. Na ocasião, o CFC fará o lançamento oficial do livro digital “Contabilidade Eleitoral: da teoria à prática”, o qual também teve a colaboração de Kich. A programação vai reunir expressivo número de autoridades, já tendo confirmada a presença de líderes de partidos políticos em âmbito nacional e ministros.

Kich enaltece o esforço e a ousadia dos envolvidos no projeto e acredita que atitudes assim são motivo de orgulho para os profissionais contábeis. Segundo ele, a proposta do CFC é unir forças com os conselhos regionais para que o envolvimento da classe beneficie toda a sociedade: “Trabalhamos para que os profissionais atuem, sim, de forma técnica, mas, antes de tudo, lembrem que são atores sociais e que tem importante papel na comunidade”. Kich explica que o evento contará com a participação de importantes nomes da área para disseminar o tema, levando aos contadores um olhar diferente sobre esse trabalho, não apenas do ponto de vista técnico, mas também social e político. “Não estamos aqui para tratar de simples assinaturas em uma prestação de contas eleitoral. Mas, sim, para participar do processo legítimo de registro e controle dos atos e fatos que movimentam a contabilidade eleitoral”, afirma.

Texto: Ascom Sincovat