Artigos - Saúde e Prevenção

“Vitiligo: tem coisa nova no tratamento” – por Cristiane dos Passos Mazzarino e Marisa Mariotti

Cristiane dos Passos Mazzarino (Foto: Divulgação)
Cristiane dos Passos Mazzarino (Foto: Divulgação)

Tudo começa com pequenas manchas brancas. Elas vão crescendo e se espalham por mãos, pernas, rosto… é o vitiligo, disturbo que afeta 1% da população.

‘Os “melanócitos, células responsáveis pela produção de melanina, a substancia que determina a cor da pele, acabam morrendo”, ensina o dermatologista Carlos D’Apparecida Santos, da Sociedade Brasileira de cirurgia Dermatológica.

Até hoje, não se sabe qual é a origem do problema, nem sequer a extensão do corpo que será atingida. Mas há algumas certezas: o vitiligo não é contagioso e não traz repercussões na saúde do sujeito – o único impacto é na autoestima, o que pode exigir acompanhamento psicológico. Nos últimos congressos científicos, algumas soluções se mostram capazes de frear e até mesmo eliminar as alterações na pele.

O Retorno da Cor…
Estudos recentes comprovam a capacidade de três abordagens distintas na reversão do vitiligo;

Marisa Mariotti (Foto: Divulgação)
Marisa Mariotti (Foto: Divulgação)

Transplante
Consiste em transferir os melanócitos de uma área saudável para outra que já foi devastada pela doença. Indicada quando as manchas não há mais de um ano.

Remédios
A sinvastatina, droga usada para baixar o colesterol, mostrou ter um efeito secundário no vitiligo, ela ajuda a regular o sistema imune, que atacaria a pele.

Fototerapia
Alguns compostos colocados na região são ativados quando recebem a luz de uma lâmpada especial. Isso reativa melanócitos ou evita a morte deles.

Enfermeira Marisa Mariotti  – Pós Graduada em Saúde Pública; Técnica em Enfermagem Cristiane dos Passos Mazzarino